Oito anos longe do sedentarismo

No dia 18 de setembro de 2011 resolvi fazer uma caminhada nas ruas próximas da minha casa. Defini como tempo uma hora por dia.

Percorri a distância de 6,84 km. No dia seguinte caminhei em um ritmo mais rápido e percorri 7,69 km em uma hora.

A caminhada passou a ser um hábito e com o passar do tempo percebi a melhora do meu condicionamento.

Em agosto de 2012 tive a oportunidade de participar da minha corrida de rua. Sem dúvida foi uma experiência completamente diferente, pois até então estava acostumado a caminhar e a trotar.

Cruzei a linha de chegada ofegante mas consegui completar o percurso de cinco quilômetros em pouco menos de quarenta minutos.

As caminhadas diárias continuaram, mas alternadas com um pouco de trote e corrida. O condicionamento físico foi melhorando e no mês de novembro participei da minha segunda corrida.

Durante o ano de 2013 participei de várias corridas de 5 km. Acordar cedo nos domingos passou a ser algo normal para mim.

Cada corrida um percurso diferente pelas ruas de Curitiba, com subidas, descidas e muitos desafios. Algumas corridas foram tranquilas e outras bastante desafiadoras.

A evolução foi natural, aprendi a controlar o meu ritmo ao longo do percurso e fui melhorando o meu condicionamento. Além de proporcionar uma melhora na qualidade de vida a prática da corrida nos permite formar amizades.

Permaneci por um bom tempo na zona de conforto dos 5 km. Foi então que em 2016 resolvi enfrentar as corridas de 10 km. Demorei um pouco para me adaptar a nova distância.

Em 2017 em duas oportunidades enfrentei os 21 km da Meia Maratona. Foram provas desgastantes mas posso dizer que aprendi bastante em cada quilômetro percorrido.

No início de 2018 estabeleci como desafio percorrer a distância de 600 km até o fim do ano. Participei de corridas de 5, 10, 15 e 21 km e alcancei a marca estabelecida no final de outubro.

O mês de novembro marcou a minha primeira corrida fora de Curitiba. Fui até Brasília correr a prova de 10 km do Circuito Banco do Brasil.

Para o ano de 2019 uma nova meta foi estabelecida. Desta vez o desafio é percorrer a distância de 800 km até trinta e um de dezembro.

Posso dizer que nestes oito anos longe do sedentarismo formei muitas amizades, reencontrei algumas pessoas que eu não via há anos e que também fazem parte do emocionante e fascinante mundo das corridas .

Sem dúvida um dos melhores momentos que vivi foi quando após cruzar a linha de chegada uma corredora me disse “Muito obrigado por ter me ajudado a não desistir”.

Receber este tipo de reconhecimento é muito gratificante. Hoje depois de tantos anos no mundo das corridas de rua procuro sempre incentivar as pessoas a deixarem o sedentarismo de lado e começarem a praticar uma atividade física.