Elenco de “Eternos” concede entrevista a EW

Nesta quarta-feira, dia 18 de Agosto de 2021, o site oficial da renomada revista estadunidense, Entertainment Weekly, compartilhou uma longa entrevista exclusiva com o elenco do novo filme da Marvel: Eternos. Confira o artigo traduzido na íntegra pelo Angelina Jolie Brasil:

Por Devan Coggan

Chloé Zhao pode apontar o momento exato em que seu estranho super time se tornou a família que ela havia imaginado. A vencedora do Oscar de 39 anos dirige o novo filme da Marvel, “Eternos” (que estreia nos cinemas no dia 5 de Novembro), uma saga sobre um grupo de alienígenas imortais que tomam conta da humanidade.

Com a finalidade de conseguir capturar totalmente tais majestades sobrevivendo na Terra ao longo dos anos, Zhao pressionou a Marvel a deixar as telas verdes no estúdio e filmar o máximo possível nos locais externos. Para gravar uma cena inicial, quando os Eternos chegaram ao planeta, em 5.000 a.C., ela, seu elenco e sua equipe viajaram para Fuerteventura, nas Ilhas Canárias, reunindo-se em uma saliência escarpada com vista para o mar.

“Foi provavelmente o penhasco com mais vento em que já estive”, lembra Zhao. “Você teria que ter um helicóptero para alcançar o vento que tivemos naquele dia.”

Lá, com as nuvens se formando e as ondas quebrando nas rochas abaixo, Zhao montou seus 10 atores em um arranjo triangular, fazendo referência para uma de suas capas favoritas da história em quadrinhos de os “Eternos”.

Ao recuar, ela olhou para o elenco – Gemma Chan como Sersi, Richard Madden como Ikaris, Kumail Nanjiani como Kingo, Lia McHugh como Sprite, Brian Tyree Henry como Phastos, Lauren Ridloff como Makkari, Barry Keoghan como Druig, Don Lee como Gilgamesh, Salma Hayek como Ajak e Angelina Jolie como Thena – 10 heróis que pareciam, ao mesmo tempo, antigos e novos.

“Tínhamos todo o elenco em pé naquele penhasco usando suas fantasias e tocamos uma música operística bem alta no alto-falante, explodindo com o vento”, explica Zhao. “Ver meu elenco se unindo em formação como os Eternos, com a beleza dessa paisagem de aspecto antigo e o oceano, o céu, aquilo foi …” E, por um instante ela parou de falar. Então, caiu na gargalhada: “Quero dizer, eu não conseguia ficar em pé porque parecia que eu seria levantada pelo vento. Mas fora isso, foi muito bom.”

Foi essa sensação de alegria e admiração que Zhao tentou colocar em “Eternos”, um projeto épico e cósmico, que pode ser o filme mais ambicioso da Marvel até então.

Como uma franquia, o Universo Cinematográfico Marvel construiu-se principalmente contando histórias de pessoas comuns colocadas em situações extraordinárias, seja sobre um garoto do Brooklyn que é picado com um super-soro ou sobre um garoto de Missouri que é sequestrado e levado para o espaço, onde faz amizade com um árvore e um guaxinim.

“Eternos”, por outro lado, tem uma proporção muito maior: inspirado por um dos cantos mais viajados (e mais obscuros) dos quadrinhos da Marvel, o filme começa no início da civilização e se estende por mais de 7.000 anos, tecendo uma história sobre os eternos deuses que guardam a história – e talvez adquiram alguns traços humanos ao longo do caminho.

“Acho que mordemos tanto quanto podíamos mastigar”, diz o produtor Nate Moore, “porque queríamos fazer um filme que parecesse urgente, presente e que tivesse um ritmo [rápido], mas também demorasse para refletir ao longo dos séculos. ”

Este também é um novo território para Zhao: ela é mais conhecida por dramas artísticos íntimos estrelados, principalmente, por atores não famosos e ela fez história no início deste ano quando seu filme “Nomadland” levou para casa vários Oscars, tornando-a a primeira mulher negra a ganhar o prêmio de Melhor Diretora.

Um sucesso de bilheteria estrelado sobre super-heróis que podem disparar raios de seus olhos, pode-se dizer que no mínimo, parece uma sequência inesperada. Mas Zhao, uma geek autoproclamada há anos, quis se juntar ao universo Marvel e, desde o momento em que se encontrou com Moore e com o presidente do estúdio, Kevin Feige, eles sabiam que ela era a única mulher para o trabalho.

“A verdade é que não teríamos tentado isso se não fosse pela Chloé”, Feige admite. “Nós pensamos, aqui está uma cineasta que é, em parte, um cinematográfica visionária e nerd em gênero. Ela pode superar qualquer um de nós quando se trata de mangá, “Star Wars” e quadrinhos da Marvel. É uma combinação impressionante. E este filme, eu acho, representa tudo sobre as imensas faces de Chloé.”

“Ela é apenas uma das maiores cineastas de todos os tempos e está no auge de seus poderes agora”, acrescenta Nanjiani. “Trabalhar com alguém assim, você pensaria que seria intimidante, mas foi o contrário. Eu me senti muito seguro. Eu estava tipo, ‘Oh, ela não vai conseguir me deixar fazer merda nisso.’”

Você está perdoado caso nunca tivesse ouvido falar sobre os “Eternos” antes de Feige apresentar o elenco no palco da Comic-Con em 2019. Mesmo para os fãs obsessivos da Marvel, este não é exatamente um nome conhecidos, mas seu legado é grande: o lendário artista de quadrinhos, Jack Kirby, inventou a mítica raça alienígena em 1976, quando retornou à Marvel após um breve período trabalhando para a rival, DC.

A história básica diz que os “Eternos” foram criados há éons por alienígenas semelhantes a deuses conhecidos como Celestiais e, este grupo particular, formado por 10 indivíduos, foi enviado à Terra para vigiar a humanidade e proteger o planeta dos monstruosos Deviantes.

“É um pouco como estar em uma viagem de carro com nove de seus amigos mais próximos por 7.000 anos”, disse Moore. “Durante o desenvolvimento do filme, nós brincamos que é como se Tony Stark e Steve Rogers vivessem juntos por muito tempo. Essa amizade os transformaria em amigos, depois em inimigos, e depois voltaria a ser uma amizade porque você tem aquele vínculo comum. É como um família.”

Para Zhao, ela ficou mais intrigada com a proporção do filme: ela se apoiou fortemente nos livros originais de Kirby, tanto para inspiração visual quanto para seu grande senso de narrativa. Ela gostou, particularmente, da ideia de tratar a própria Terra como o 11º personagem do filme, seguindo sua jornada ao longo dos séculos.

“Eu pensei, posso fazer algo tão grande e tão épico quanto nosso significado no cosmos, mas também posso fazer algo mais íntimo e explorar todas as lutas internas que temos como seres humanos,” ela explica. “Como esses personagens viveram entre nós por tanto tempo, [eles têm] as mesmas lutas como identidade, propósito, fé, liberdade pessoal versus um bem maior – toda a dualidade e falhas que nos tornam humanos.”

Apresentar os “Eternos” também significou trazer 10 novos atores para o rebanho da Marvel. Zhao intencionalmente lançou uma ampla rede, visando todos, desde a vencedora do Oscar, Angelina Jolie, até a recém-chegada Lia McHugh, de 15 anos. Vários atores dizem que ficaram surpresos ao receber tal ligação: Salma Hayek, por exemplo, interpreta a líder do grupo, Ajak, mas quando ela ouviu que Marvel queria se encontrar com ela, ela presumiu que seria para um pequeno papel coadjuvante, não para interpretar uma heroína protagonista.

“Eu disse, ‘Esqueça’”, lembra ela, rindo. “Eu disse, ‘Deus sabe que tipo de avó eles querem que eu interprete.’ Estou acostumada a ouvir que serei uma figurante ou uma velha prostituta. E aí falaram que a diretora era Chloé Zhao, e eu disse: ‘Tá bom! Vamos lá!’ ”

Como Zhao costuma trabalhar com atores não profissionais interpretando versões de si mesmos, ela diz que, para “Eternos”, ela gravitou especificamente em torno de atores que ela esperava que pudessem se identificar com seus papéis – mesmo que não fossem guerreiros imortais de outro planeta. Ainda assim, ela encorajou cada ator a encontrar um pouco de si em seu personagem, fosse com relação à sua força, empatia ou curiosidade sobre o mundo.

“Acho que não percebemos isso até que realmente tenhamos chegado lá”, explica Jolie. “Realmente parecia que ela estava tirando de nós algo que era mais pessoal, de um lado mais profundo de nós mesmos. Ela não estava procurando colocar algo em cima de nós, como um personagem. Ela estava procurando que nós nos revelássemos como o personagem.”

Todo Eterno não possui idade, mas todos têm seus próprios pontos fortes e fracos. O Ikaris, interpretado por Richard Madden, por exemplo, pode voar e disparar raios de luz pelos olhos, enquanto a Ajak, interpretada por Salma Hayek, tem a habilidade de curar. Phastos, interpretado por Brian Tyree Henry, é um inventor brilhante e Druig, interpretado por Barry Keoghan, é uma pessoa solitária e enigmática que pode manipular os pensamentos dos outros.

Um dos últimos papéis a serem escalados formam o centro emocional do filme: Gemma Chan interpreta Sersi, que – ao contrário de alguns de seus companheiros eternos – tem uma queda por humanos. Atualmente, ela trabalha como curadora de um museu em Londres e está namorando o humano Dane Whitman (interpretado por Kit Harington). Ela é particularmente próxima de Sprite e tem a habilidade de manipular matéria inanimada ao seu redor.

“Ela não é a Eterna mais obviamente impressionante em termos de poderes”, explica Chan. “Ela não é a mais forte e ela não é a melhor lutadora, mas seu poder realmente é sua empatia.”

Feige e Zhao quase imediatamente gravitaram para lançar Chan, mas havia um obstáculo: ela já fazia parte do universo Marvel, interpretando uma personagem de pele azul, a Doutora Minerva no filme “Capitão Marvel” lançado em 2019.

“Eu encontrei Kevin Feige no circuito de premiação [quando] estava promovendo “Crazy Rich Asians””, lembra Chan. “Ele gentilmente veio até mim e disse: ‘Adorei o seu trabalho e adoraríamos trabalhar com você de novo.’ Eu só pensei, ‘Oh, bem, isso pode significar que pode ser em algum momento no futuro, quem sabe quando? Talvez ele esteja apenas sendo legal.’ Eu realmente não esperava voltar tão cedo!”

“Teria sido um tiro no próprio pé,” Feige disse sobre potencialmente não escalar Chan. “Eu posso voltar para quando Chris Evans foi escalado para interpretar o Capitão América e algumas pessoas disseram, ‘Oh, bem, ele fez o papel do Tocha Humana [no filme “Quarteto Fantástico” lançado em 2005]. Talvez não devêssemos considerá-lo.’ E nós dissemos: ‘Não, tudo bem’, e o resto é história. ”

Para Chan, a maior vantagem de voltar era que, desta vez, não precisaria ficar quatro horas sentada em uma cadeira de maquiagem, pintando-se de azul todas as manhãs. “Devo dizer que foi um alívio”, diz ela com uma risada. “Foi bom não encontrar tinta azul em minhas rugas semanas depois.”

Grande parte do filme concentra-se na relação entre Ikaris e Sersi, que têm uma longa história romântica ao longo dos tempos, mas desde então se separaram. Somando-se ao constrangimento, está o fato de que ela, atualmente, está namorando Dane, criando um triângulo amoroso desconfortável.

“Você tem que ter uma grande compaixão pelo ser humano com quem está, mas também tem uma grande desconexão com ele porque você viveu todo esse tempo”, diz Madden sobre ele e Chan serem amantes azarados. “Isso é o que há de tão bom em Sersi e Ikaris juntos, já que eles são dois lados opostos de como eles se conectam com o mundo. Isso é o que os equilibra.”

Felizmente, Madden e Chan também têm química fora das telas: eles são amigos há anos, desde que se conheceram quando ainda eram jovens atores – mas em “Eternos” foi a primeira vez que trabalharam juntos.

“Estou estragado, de certa forma, por ter 10 anos de confiança com ela”, diz Madden. “Nós sabemos como fazer um ao outro rir, de como apertar os botões um do outro e estamos muito confortáveis na companhia um do outro porque passamos muito tempo juntos ao longo dos anos.”

“Nós passamos por muitos altos e baixos juntos”, Chan acrescenta com uma risada. “Nós ficamos bêbados juntos e nos consolamos quando estávamos falidos.”

Outro membro importante na história é Thena, interpretada por Jolie: a atriz também já esteve em filmes épicos e cheios de ação, mas se vestir como uma super-heroína imortal foi um novo desafio. Ainda assim, ela se viu atraída pelo discurso de Zhao sobre um grupo de imortais que se encontravam uma e outra vez através dos tempos.

“Eu só queria fazer parte desta família”, diz ela. “Eu mesmo tenho uma família um pouco não convencional, então foi algo que me pareceu familiar.”

Thena é uma guerreira de elite que pode conjurar diferentes armas do nada e, por este motivo, Jolie teve que praticar com várias tipos de espadas, lanças e cajados, bem como passou por treinamento de balé para ajudar a aprimorar a graça natural da Thena. Mas foi só depois de entrar no set com o resto dos “Eternos” que ela se sentiu mais à vontade.

Na primeira vez que ficamos um ao lado do outro, usando nossos uniformes, tiramos nossas capas e tivemos que ficar parados para uma foto, e o que eu senti foi apenas uma grande sensação de apoio”, explica ela. “Estávamos sorrindo um para o outro e havia muita gentileza.”

Keoghan, que interpreta o indiferente Druig, lembra daquele primeiro dia de forma semelhante. “Fui o último a vestir uma fantasia”, lembra ele. “Quando eu cheguei e a coloquei, pela primeira vez, foi legal sair e ver o resto da reação do elenco. Eles estavam tipo, ‘Uau!’ É uma sensação estranha se ver assim. Assim que você veste as botas, sua postura se transforma. Você definitivamente percebe como todo o seu comportamento e todo o resto muda. ”

Thena freqüentemente luta lado a lado de Gilgamesh, interpretado por Lee. O ator coreano é talvez mais conhecido internacionalmente por seu papel de destaque em “Train to Busan”, e ele diz que teve dezenas de ofertas para filmes de Hollywood nos últimos anos, mas “Eternos” foi o primeiro que ele realmente quis.

“Eu sabia que era esse”, explica ele. “Sempre fui um grande fã da Marvel e realmente adorei o personagem Gilgamesh. Vi o potencial para inspirar a geração mais jovem como o primeiro super-herói coreano [do MCU].” Ele acrescenta que também tinha uma afinidade especial com o papel, já que treinou boxe durante anos e Gilgamesh tem a habilidade de nocautear os inimigos com um único soco.

McHugh, de quinze anos, interpreta Sprite, que parece ser uma menina, mas na verdade tem milhares de anos. McHugh a descreve como “uma alma muito velha”. Ela também pode projetar ilusões realistas. “Ela luta com alguns problemas relacionados ao fato de ser super velha presa no corpo de uma criança”, explica McHugh.

Quanto ao Kingo de Nanjiani, ele é um dos poucos Eternos que não veio de fora dos holofotes. Ele se reinventou como uma estrela popular de Bollywood (o que significa que Nanjiani teve que aprimorar suas habilidades de dança). “Os outros Eternos, em diferentes graus, se retiraram da sociedade, mas ele é um membro realmente importante da sociedade”, diz o comediante. “Ele adora. Ele adora lutar. Ele adora ser uma estrela de cinema. Ele pode atirar raios com as mãos. Não há desvantagens na vida de Kingo.”

Para Henry, ele também se conectou com os temas de heroísmo dos Eternos e como esses seres de outro mundo se encaixam no mundo. “Tenho estado obcecado com o conceito de super-heróis e com o conceito de que a humanidade precisa ser salva”, explica a estrela de Atlanta. “Eu acho que quando você reúne esse grupo de pessoas, que têm esses sentidos íntimos de superpoderes e de salvar a humanidade, é algo que todos nós precisamos. E isso literalmente reúne todos, independentemente de onde você é. Eu ainda estou enlouquecendo por fazer parte disso. ”

Finalmente, completando o elenco está Lauren Ridloff, como a super rápida Makkari. Makkari é bondosa, pode correr em velocidades extraordinárias e ela também é a primeira heroína surda a se juntar ao MCU. Embora, como Ridloff aponta, ela não seja a última: a atriz surda Alaqua Cox se juntou ao elenco da próxima série da Disney +, “Hawkeye”, como Echo.

“O que tornou tudo ainda mais interessante para mim foi que eles decidiram fazer essa mudança, essa troca de gênero”, diz Ridloff. “Não poderíamos ir mais longe do que o original com esse elenco. Tradicionalmente nos quadrinhos, ele é um cara grande, musculoso, loiro e ele escuta. E eles me escolheram – uma mulher, negra, surda – para interpretar o papel.”

Na verdade, antes mesmo de Zhao concordar em dirigir, ela disse que uma das coisas que ela mais amou, foi com relação ao tratamento inicial da Marvel com a forma de como ela re-imaginou alguns dos personagens originais para torná-los mais específicos, desde a mudança de gênero e raça até aprofundamento, com as histórias de origem do personagem. Feige também confirmou que um dos Eternos é abertamente gay e, embora a Marvel permaneça calada sobre os detalhes, foi relatado que o personagem interpretado por Henry, Phastos, é casado com um homem.

“Isso realmente me impressionou, o quão diverso o elenco era [nos primeiros rascunhos]”, explica Zhao. “Não apenas em termos de gênero, raça, idade, mas no geral, eu pude ver o desejo de refletir o mundo em que vivemos, tanto quanto possível. Isso é ótimo, mas o mais importante para mim era realmente ser capaz para contar uma história e criar personagens para serem tão individuais quanto possível, e para realmente mostrar o que está por baixo da superfície, como eles são e o que representam. Esses são indivíduos únicos, imperfeitos e complicados, assim como você e eu. Foi o que me atraiu até esses atores. Isso é o que me atraiu para a história de cada um dos personagens.”

“Eternos” é, em grande parte, uma história autônoma, focando especificamente nesses 10 personagens e em suas jornadas juntos. Mas Moore brinca que o filme é “parte da estrutura do MCU”, comparando-o ao primeiro filme dos “Guardiões”, que era, em sua maioria, independente, mas apresentava personagens e enredos que mais tarde apareceriam em outros filmes.

“Eternos” recomeça após os eventos de “Vingadores: Endgame”, quando metade da população voltou, depois de ser tirada da existência. Também vai explicar por que os Eternos não se ofereceram para ajudar a ir atrás de Thanos – ou ajudar a lidar com qualquer uma das várias crises ao longo da história. (A resposta curta é que a missão deles é focar nos Deviantes e nunca interferir nos assuntos humanos. Ainda assim, “Os Vingadores” provavelmente poderiam ter usado como ajuda.) Dito isso, Feige e Moore dizem que o filme terá grandes efeitos em cascata em histórias futuras e, às vezes, era um desafio equilibrar o tom mais fundamentado do MCU com a grandeza mítica dos Eternos.

Felizmente, Zhao se dedicou a descobrir o tom certo, casando-se tanto com a estranheza da elevada ficção científica quanto com os momentos mais engraçados e realistas. Como diretora, ela diz que abraçou a colaboração que veio com a descoberta de complicados efeitos visuais e cenas de ação, mas também tentou abrir espaço para sua abordagem prática, sua marca registrada. (Ridloff diz que na primeira vez que conheceu Zhao, a diretora a convidou para se sentar no chão, enquanto Hayek se lembra de Zhao perseguindo cavalos no set com uma câmera para capturar uma cena improvisada.)

“Ela tem esse tipo de estética DIY”, diz Nanjiani. “Lembro que um dia [a equipe] estava dizendo, ‘Oh, não podemos fazer isso’, e ela simplesmente subiu neste pedaço do set e disse, ‘Que tal aqui? Basta colocar a câmera aqui!’ Todo mundo estava tipo, ‘Oh não, não, não, Chloé desça daí! É um risco de seguro!’ ”

Ao todo, o elenco diz que ficou surpreso com a rapidez com que se conectaram, tanto na tela quanto fora dela. (Em um ponto, Jolie deu uma festa de Halloween para o elenco e equipe, vestindo-se de girafa.) Juntos, Zhao diz, eles formam o tipo de grupo complexo que ela sempre sonhou em destacar.

“Você não pode imaginar que todos estejam juntos na mesma sala, na vida real”, diz Zhao sobre seu elenco. “Pode ser algo como, ‘Oh, eu não esperava que este grupo de pessoas fosse ser uma família.’ Mas quase imediatamente, senti que cada um encontrou seu lugar na unidade familiar.”

A revista, também, forneceu mais detalhes sobre a personagem interpretada por Jolie:

Jolie, certamente, não é estranha com relação aos projetos que se tornam sucessos de bilheteria, mas até ela se surpreendeu por ter sido escalada em os Eternos. “É, certamente, a maior coisa que eu já fiz. Como alguém que já dirigiu, ver a produção tentando gerenciar este projeto, foi algo enorme para se assumir.”

A acrobática Thena é uma das guerreiras de elite do grupo e pode conjurar armas do nada. Para se preparar, Jolie realizou treinamento de balé, para capturar sua graça sem muito esforço, bem como aprendeu a usar várias armas – a maioria das quais foi adicionada digitalmente na pós-produção.

“É uma das coisas mais estranhas de treinar, porque você fica jogando coisas, agarrando coisas e quebrando coisas ao meio”, explicou ela. “Você parece um pouco louca. Você fica apenas estendendo a mão como se estivesse pensando: ‘Isso é uma espada? É uma lança? É um laço? O que estou fazendo?’ Então você participa disso e fica muito divertido, mas é como se fosse um quebra-cabeça.”

Fonte: Entertainment Weekly

Angelina Jolie Brasil

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *