10 anos da CABB

No dia vinte e seis de junho tive a oportunidade de voltar a CABB/SJP. Esta é a sigla que representa a Central de Atendimento do Banco do Brasil localizada na cidade de São José dos Pinhais na Região Metropolitana de Curitiba.

Alguns dias antes recebi um email com um convite para a festa do aniversário de dez anos da Central. É claro que não pensei duas vezes para confirmar a minha presença. Afinal de contas seria uma chance de reencontrar várias pessoas com as quais tive oportunidade de trabalhar durante três anos. A data também marcou os sete anos e cinco meses da minha posse no BB.

Mas antes de contar sobre a festa vou voltar um pouquinho no tempo, mais precisamente ao dia vinte e sete de fevereiro de 2007. Na ocasião eu era um dos integrantes da décima sétima turma da CABB.  Coincidência ou não ela era formada por dezessete pessoas.

No entanto, os futuros atendentes deveriam passar por algumas semanas de treinamento. Neste período tivemos a oportunidade de receber um volume muito grande de informações e várias siglas passaram a fazer parte do nosso dia-a-dia. Diversas atividades eram realizadas a cada dia, coordenadas pelos educadores, mas a grande expectativa entre nós era sobre quando seria a nossa visita a sala de atendimento, afinal as apresentações e simulações estavam ficando cansativas.

No final do curso visitamos a sala de atendimento, onde acompanhamos por alguns instantes o trabalho dos nossos colegas. Ficamos impressionados como eles falavam, digitavam e navegavam nas telas do sistema ao mesmo tempo. A visita foi breve mas nos permitiu conhecer o mundo do qual passaríamos a fazer parte nos próximos dias. Depois de longas semanas de treinamento finalmente fomos para a sala de atendimento.

Durante três dias permanecemos ali em absoluto silêncio, acompanhando o atendimento dos nossos colegas com os ouvidos e os olhos atentos.. Como gravar todas aquelas informações na memória e os inúmeros procedimentos? Logo passaríamos a atender as ligações, contando com o acompanhamento dos colegas. Aos poucos cada um nós foi adquirindo segurança e tínhamos condições de atender sozinhos, sem necessidade da ajuda dos colegas.

O tempo foi passando e fomos nos tornando mais experientes, inclusive participamos de treinamento das novas turmas de atendentes. As oportunidades foram surgindo e aos poucos os integrantes da 17ª turma da CABB foram indo embora. A cada despedida de um colega, além dos votos de sucesso na nova etapa ficava a dúvida sobre quem seria o próximo a ir embora.

No início do mês de janeiro de 2010 tive a oportunidade de participar de um processo seletivo para  um cargo de Assistente em uma outra área do Banco do Brasil. Em alguns dias foi divulgado o resultado da entrevista e o meu nome estava na lista dos aprovados. Chegava ao fim a minha jornada na Central de Atendimento.

Recebi os cumprimentos de diversos colegas, todos desejando muito sucesso. A emoção era grande e confesso que em muitos casos tive que segurar o choro. Mas durante a minha despedida no último dia de trabalho não teve jeito e chorei. Também me emocionei ao abraçar o mascote da Central, um cãozinho muito querido que atendia pelo nome de Maradona. Era uma sexta-feira, dia cinco de março.

Maradona – o guardião da CABB

 

 

 

 

 

 

 

Agora vamos voltar aos dias atuais. Depois de quatro anos e alguns meses eu estava de volta a Central de Atendimento. Chegando lá a primeira coisa que fiz foi tirar uma foto. Em seguida me dirigi ao portão de entrada e notei a ausência do Maradona, mesmo sabendo que ele já foi pro céu. Ele ficava ali deitado controlando o entra e sai do funcionários.

CABB/SJP
CABB/SJP

 

 

 

 

 

 

 

Duas garotas controlavam a entrada dos convidados com o auxílio de uma lista. Me identifiquei e tive a minha entrada liberada.  Bastaram alguns passos para começar a encontrar vários dos meus antigos colegas que continuam trabalhando na Central de Atendimento. Logo pude ver também alguns dos gerentes com quem tive a oportunidade de trabalhar.

A festa foi muito bem organizada, com as guloseimas típicas de uma Festa Julina, brinquedos e até uma sala de cinema para as crianças. Além de poder conversar com vários colegas gostei muito do passeio pelas instalações da Central de Atendimento.

Ao entrar na sala de atendimento e me aproximar de uma das bancadas devo confessar que passou um filme na minha cabeça. Por alguns instantes me vi ali sentado fazendo um atendimento.

Enfim, estão de parabéns o Gerente Geral da CABB/SJP e todos aqueles colegas envolvidos direta e indiretamente na organização desta festa para comemorar os dez anos de existência da Central. Fico feliz por ter feito parte da CABB.