Ayrton Senna Para Sempre

Neste dia 21 de março de 2017 o meu ídolo Ayrton Senna completaria cinquenta e sete anos de idade. A cada aniversário me questiono o que ele estaria fazendo nos dias atuais se a sua carreira não tivesse sido interrompida no muro da maldita curva Tamburelo no circuito de Imola. Mas hoje não quero lembrar o que aconteceu naquele triste primeiro de maio de 1994.

A minha admiração pelo Ayrton Senna começou no dia três de junho de 1984. Na ocasião ele participou do Grande Prêmio de Mônaco nas ruas do Principado sob forte chuva. Pilotando o carro da modesta equipe Toleman o estreante brasileiro terminou a prova em segundo lugar.

Desde que o brasileiro deixou a Fórmula 1 eu não tinha um ídolo. No entanto depois do show de Senna na chuva nas ruas de Monte Carlo ele passou a ser o meu novo ídolo.

Ele chegou na F1 após ter sido campeão na Fórmula Ford 1600 (1981), Fórmula Ford 2000 (1982) e Fórmula 3 (1983). Após o final da temporada da F3 Senna teve a oportunidade de participar de testes com a Williams, McLaren, Brabham e Toleman. As três primeiras equipes já tinham os seus pilotos definidos para a temporada de 1984.

A McLaren chegou a oferecer uma vaga de piloto de testes mas isto não representava uma vaga garantida de piloto titular na etapa seguinte. Sobrou então a Toleman.

Marcou o seu primeiro ponto no GP da África do Sul no Circuito de Kyalami ao terminar a prova em sexto lugar. Também terminou em sexto lugar no GP da Bélgica disputado no Circuito de Zolder.

Subiu no podium em Mônaco (segundo lugar), Inglaterra (terceiro lugar) e Portugal (terceiro lugar). No final da temporada anunciou a sua transferência para a Lotus, equipe com a qual teria condições de conquistar a sua primeira vitória.

Aliás quis o destino que a primeira vitória na Fórmula 1 fosse conquistada debaixo de chuva. Aconteceu no doa vinte e um de abril de 1985 no GP de Portugal disputado no Circuito do Estoril. Também foi vencedor no GP da Bélgica no Circuito de Spa-Francorchamps.

Terminou a temporada em quarto lugar. Em 1986 venceu na Espanha (Circuito de Jerez de La Frontera) e nos EUA (Circuito de Detroit).  Foi segundo colocado no Brasil (Jacarepaguá), Bélgica (Spa-Francorchamps), Alemanha (Hockemheim) e Hungria (Hungaroring), terceiro colocado em Mônaco (Monte Carlo) e no México (Hermanos Rodriguez), quarto colocado em Portugal (Estoril) e quinto no Canadá (Gilles Villeneuve).

Na temporada de 1987 a Lotus trocou de patrocinador e de cor. O tradicional preto e dourado deu lugar ao amarelo e os motores Renault foram substituídos pelos japoneses da Honda. As suas duas vitórias foram conquistadas nas ruas de Monte Carlo e Detroit. Subiu no podium em outras provas e terminou o campeonato em terceiro lugar.

Depois de três anos correndo pela equipe Lotus Senna anunciou que a partir de 1988 que correria pela McLaren com a qual teria condições de conquistar o seu primeiro título na F1.

Ao longo do ano dividiu as vitórias com o seu companheiro de equipe o francês Alain Prost. O título foi conquistado após a emocionante vitória no GP do Japão no Circuito de Suzuka.

O título da temporada de 1989 foi novamente decidido entre Senna e Prost no Japão mas desta vez o francês conquistou o campeonato. Prost foi para a Ferrari e o companheiro de Senna para a temporada der 1990 passou a ser o austríaco Gerhard Berger.

Mais uma vez o GP do Japão marcou a decisão do título entre Senna e Prost. Após ter sido tirado da pista em 1989 desta vez Senna deu o troco no francês e conquistou o bicampeonato.

Em 1991 as vitórias foram divididas entre as equipes McLaren e Williams. Senna conquistou a sua primeira vitória no Brasil após um final dramático na últimas voltas em Interlagos.

Novamente o GP do Japão foi o palco da decisão do título desta vez entre Senna e Mansell. Os dois bateram e saíram da pista. Senna conquistou o tricampeonato.

O ano de 1992 foi dominado pela equipe Williams e o inglês conquistou o título. Ayrton Senna foi o quarto colocado e ao final da temporada foi anunciado o fim da parceira entre a McLaren e a Honda após cinco anos.

Em 1993 a McLaren passou a usar os motores Ford, o companheiro de Senna passou a ser o americano Michael Andretti (depois substituído pelop finlandês Mika Hakkinnen) e o francês voltou para a F1 na equipe Williams.

O francês venceu sete provas e conquistou o seu quarto título mundial. Anunciou a sua despedida das pistas. Ayrton Senna anunciou a sua despedida da McLaren depois de seis temporadas e três títulos. Em 1994 correria pela equipe Williams.

Seria a chance do Senna brigar pelo seu quarto título. Não preciso lembrar o que aconteceu naquele primeiro de maio de 1994. A partir de então deixei de acompanhar as corridas de F1.

Em agosto de 1999 criei um site para homenagear o meu ídolo Ayrton Senna, com números da sua carreira e algumas fotos. Depois de algum tempo coloquei fotos das miniaturas que passei a colecionar.

Ao longo de dezessete anos e alguns meses em locais de hospedagem gratuita o site recebei visitas de fãs das mais diversas partes do mundo. Depois de todo este tempo o Ayrton Senna Para Sempre passou a ser hospedado no domínio www.normanbitner.com.br.