Jolie fala sobre os refugiados em entrevista para a Vogue

Em uma entrevista exclusiva concedida para a revista britânica, Vogue, a cineasta estadunidense e ganhadora do Oscar se recorda das duas últimas décadas que vem trabalhando com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR/UNHCR) e discute sobre sua jornada com relação a adoção de seus três filhos, Maddox, Pax e Zahara.

Escrito por Liam Freeman e traduzido pelo Angelina Jolie Brasil.

No que diz respeito à atuação e ao cinema, Angelina Jolie teve uma carreira bastante invejável durante seus 45 anos de idade. Nascida na realeza de Hollywood, sendo filha de Jon Voight e de Marcheline Bertrand, já falecida, ela estudou no prestigiado “Lee Strasberg Theatre and Film Institute” antes de estrelar em filmes como “Garota, Interrompida” (1999) – através do qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em 2000 – e “A Troca” de Clint Eastwood (2008).

Posteriormente, ela fez sua estréia na direção no ano de 2011, com o longa “Na Terra de Amor e Ódio”, que aborda a Guerra da Bósnia, para o qual ela procurou apenas os colaboradores mais experientes – atores de elenco nascidos na região dos Bálcãs, que ela consultou sobre a produção e o diálogo. Mas talvez seja seu trabalho humanitário com os refugiados que tenha lhe ensinado suas maiores lições.

“Eu me sentia como se fosse uma estudante aos pés deles”, disse Jolie à Vogue. “Aprendi mais com os [refugiados] sobre família, resiliência, dignidade e sobrevivência do que posso expressar.” Mãe de seis filhos, ela passou quase duas décadas trabalhando com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, primeiro como Embaixadora da Boa Vontade e, a partir de 2012, como Enviada Especial, por sua dedicação à causa.

A primeira missão de Jolie foi em Serra Leoa, na África, nos anos finais da guerra civil que se estendeu de 1991 a 2002. Desde então, ela viajou para países como o Líbano, para conhecer crianças refugiadas sírias, o Curdistão, para destacar as necessidades mais críticas de 3,3 milhões de iraquianos que se encontravam deslocados internamente. Tailândia, onde famílias de Myanmar estão abrigadas em campos de refugiados no norte do país e, mais recentemente, na Colômbia, onde mais de 4 milhões de venezuelanos vivem no exílio.

Então, o que o papel da Enviada Especial do ACNUR implica? Além de chamar a atenção necessária para as grandes crises que resultam em deslocamentos populacionais em massa, Jolie representa a Agência e o Comissário em nível diplomático.

“Meu trabalho, agora, consiste em lutar ao lado dos meus colegas para que os refugiados tenham direitos, proteção e para que resistam aos retornos forçados. Nós também fazemos pressão para conseguirmos melhores oportunidades de aprendizado. O ACNUR é uma agência de proteção. Ajudamos aqueles que fugiram da guerra e da perseguição, que tiveram seus direitos violados”, explica ela.

Um dia antes do Dia Mundial dos Refugiados – um dia internacional designado pelas Nações Unidas (ONU) para homenagear os refugiados em todo o mundo, que é comemorado em 20 de junho – conversamos com Jolie sobre seu trabalho com o ACNUR e como isso transformou sua percepção sobre a maternidade.

A razão de ser do ACNUR é salvar vidas, proteger direitos e construir um futuro melhor para os refugiados. O que existe nessas causas que se relacionam com você pessoalmente?

Eu vejo todas as pessoas como iguais. Eu vejo o abuso e o sofrimento e não consigo aguentar. Em todo o mundo, as pessoas fogem de ataques de bombas, estupro, mutilação genital feminina, espancamentos, perseguição, assassinato. Essas pessoas não fogem para melhorar suas vidas. Elas fogem porque não podem sobreviver de outra maneira. O que eu realmente quero é acabar com o aquilo que força as pessoas a saírem de suas terras. Quero ver prevenção quando pudermos, proteção quando for necessário e responsabilidade quando os crimes forem cometidos.

Segundo o ACNUR, o mundo agora tem uma população de quase 80 milhões de pessoas deslocadas à força – a mais alta já registrada. Nos seus anos de trabalho com o ACNUR, você testemunhou este aumento dramático em primeira mão. Quais foram as principais causas?

Vejo falta de vontade em proteger e defender os direitos humanos básicos, vejo falta de diplomacia e responsabilidade. Muitas pessoas lucram com o caos de países que são dependentes e que encontram-se quebrados e isso me deixa doente. Também vemos líderes espalharem o medo visando ganhos políticos, para que o nacionalismo aumente assim como também a raiva pelo próximo. Mas, por outro lado, também vejo uma incrível generosidade com relação aos refugiados em muitos países e uma força extraordinária e resiliência dos próprios refugiados. Este não é um cenário sem esperança. Apenas cinco conflitos representam dois terços de todo o deslocamento transfronteiriço – Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Myanmar. Mudando a dinâmica lá, conseguiremos mudar o cenário do deslocamento global atual.

Antes da pandemia, você esteva trabalhando na Venezuela e em Bangladesh. Você pode nos contar algumas das coisas que testemunhou lá e qual é a situação agora?

Vi pessoas em seu estado mais humano, que sofreram violência e dificuldades inimagináveis e que estão apenas tentando cuidar de suas famílias. Qualquer um de nós faria o mesmo se estivéssemos naquela situação. Como todos nós, eles querem estar seguros, querem ter uma casa e querem ser livres. As realidades para refugiados ou para as pessoas deslocadas são extremamente difíceis. Eles são, frequentemente, vítimas de estupro e de abuso sexual. Eles estão lutando contra os mesmos tipos de doenças que podemos encontrar em qualquer comunidade em tempos de paz, no entanto, eles não tem acesso à assistência médica em que você ou eu poderíamos confiar. Além disso, os refugiados geralmente vivem em tendas em campos extremamente expostos às condições naturais. No mês passado, refugiados em Bangladesh foram atingidos por um ciclone.

Há regiões ou grupos de pessoas com as quais você está especialmente preocupada agora?

Estou realmente preocupada com as pessoas no Iêmen. Elas passaram por cinco anos de um conflito brutal. Elas sofreram ataques aéreos, bombardeios indiscriminados, violência sexual e tortura. Metade dos hospitais foram destruídos. As pessoas estão à beira da fome. E agora elas foram atingidas pelo Covid-19. No entanto, a comunidade internacional forneceu menos da metade dos fundos necessários para manter as operações de ajuda até o final deste ano. Isso significa que, em agosto, o dinheiro acabará e os programas que mantêm as pessoas vivas terão que ser encerrados no meio de uma guerra e uma pandemia. É horrível e indicativo do padrão global: não somos capazes de ajudar a pôr fim às guerras ou de fazer o suficiente para permitir que as pessoas sobrevivam. O ACNUR permanecerá e entregará o que puder, mas será muito difícil esticar os fundos de ajuda para atender às necessidades sem recebermos nenhuma ajuda.

Como a pandemia afetou os refugiados, direta ou indiretamente?

Infelizmente, estamos apenas no início do impacto econômico e social da crise e isso afetará as pessoas deslocadas, uma vez que os níveis de financiamento humanitário já eram tão baixos. É realmente assustador. É um momento de solidariedade e de entender que os refugiados estão na linha de frente na luta pela sobrevivência e pelos direitos humanos.

Você tem uma sensação de dicotomia entre a vida em Hollywood e o trabalho de campo com o ACNUR ou com a Fundação Maddox Jolie-Pitt (MJP) no Camboja?

Muitos colegas do ACNUR, mas principalmente os próprios refugiados, foram meus mentores. Lembro-me de uma das minhas primeiras missões de campo, na Serra Leoa, quando, em certo momento, depois de ouvir as histórias das pessoas, comecei a chorar. Havia uma avó incrível lá, cuidando de seus netos órfãos, que me levantou e me disse para que eu não chorasse, mas que eu ajudasse. Isso sempre ficou comigo. Minha vida como artista é sobre comunicação e arte. Às vezes, o foco é mais no entretenimento, mas, mais recentemente, meu trabalho como diretora tem sido muito mais sobre as questões globais em que eu me concentro. “Primeiro Mataram Meu Pai” é um filme que une esses mundos. Mas, no fundo, o filme retrata a história dos anos mais difíceis no país em que meu filho nasceu. Então, a maternidade também influencia meu trabalho. E não, não vejo uma divisão.

Você construiu uma casa no Camboja. Por que você sente esta forte afinidade com o país?

O Camboja foi o país que me conscientizou sobre os refugiados. Isso me fez participar de assuntos estrangeiros de uma maneira que nunca tinha feito e me juntar ao ACNUR. Acima de tudo, isso me fez ser mãe. Em 2001, eu estava participando de uma atividade em uma escola de Samlout, brincando com blocos no chão junto com uma criança e isso ficou tão claro para mim quanto a luz do dia. Naquele momento eu pensei: ‘Meu filho está aqui’. Alguns meses depois, conheci o bebê Mad em um orfanato. Não sei explicar e não acredito em mensagens ou superstições. Mas foi muito real e claro. Samlout foi a primeira e a última fortaleza do Khmer Vermelho. Foi para onde fui pela primeira vez com o ACNUR, porque fica perto da fronteira com a Tailândia, onde as pessoas estavam lutando para voltar. Estava cheio de minas terrestres. Eu escolhi investir e morar lá para tentar ajudar a melhorar uma das áreas mais desafiadoras do país. Encontramos 48 minas terrestres em minha propriedade. Minha casa fica em um complexo que eu compartilho com a sede da minha fundação. É 100% executado localmente, como deveria ser, e trabalho com uma grande equipe de pessoas.

Você tem três filhos adotivos, Maddox, Pax e Zahara, e três filhos biológicos, Shiloh, Vivienne e Knox. Quais são as coisas mais importantes a considerar ao criar irmãos adotivos e biológicos?

Esta é uma maneira bonita de formar uma família. O importante é falar com liberdade sobre tudo isso e compartilhar. “Adoção” e “orfanato” são palavras positivas em nossa casa. Com meus filhos adotivos, não posso falar sobre gravidez, mas falo com muitos detalhes e com muito amor sobre minha jornada em encontrá-los e como foi olhar nos olhos deles pela primeira vez. Todas as crianças adotadas vêm com um belo mistério de um mundo que está se encontrando com o seu. Quando eles são de outra raça e de terra estrangeira, esse mistério, esse presente, é muito grande. Para eles, nunca devem perder o contato com o lugar de onde vieram. Eles têm raízes que você não tem. Honre-os. Aprenda com eles. É a jornada mais incrível de se compartilhar. Eles não estão entrando no seu mundo, vocês estão entrando no mundo um do outro.

Você adotou Maddox do Camboja e seu filho Pax, do Vietnã – dois países em guerra um com o outro. Esta foi uma decisão consciente?

Isso é uma verdade, eu pensei sobre isso. Originalmente, pensei em não adotar no Vietnã porque Mad era cambojano e os dois países têm uma história complexa. Então eu estava lendo um livro sobre direitos humanos e me vi olhando para a imagem de um combatente vietnamita mantido em cativeiro por americanos. Pensei em meu próprio país e em nosso envolvimento no sudeste da Ásia. Pensei em focar num futuro em que fossemos todos da mesma família. Sou muito abençoada por ter sido autorizada a ser mãe deles. Sou grata por isso todos os dias.

Depois de escolher se separar de seu parceiro e do pai de seus filhos, o ator Brad Pitt, como você sustentou um ambiente saudável para seus filhos?

Separei para o bem-estar da minha família. Essa foi a decisão certa. Eu continuo focada no processo de cura deles. Muitas pessoas se aproveitaram do meu silêncio e meus filhos veem muitas mentiras sobre eles na mídia, mas eu os lembro de que eles conhecem suas próprias verdades e suas próprias mentes. Na verdade, são seis jovens muito corajosos e muito fortes.

Você pode discutir alguns dos projetos nos quais trabalhará nos próximos meses?

Trabalharei com o ACNUR nesta crise global, mantendo-me conectada e conscientizando as realidades de campo. E continuarei trabalhando com a “BBC World Service”, em uma iniciativa de alfabetização midiática para jovens. Também estou colaborando com a Anistia Internacional em um projeto de livro sobre os direitos das crianças. Entrei no confinamento da quarentena pensando que seria um bom momento para aprender a cozinhar. Mas isso nunca aconteceu. Eu conheço meus limites.

Fonte: Vogue

Jolie faz videoconferência e escreve sobre os refugiados

Nesta quinta-feira, dia 18 de Junho de 2020, o site oficial da renomada revista “TIME” publicou um novo artigo escrito pela Enviada Especial do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (UNHCR/ACNUR), Angelina Jolie, através do qual ela abordou a atual crise de refugiados. Além do artigo, Jolie participou de várias conversas de vídeos com diferentes profissionais que trabalham com a UNHCR. Confira a matéria traduzida na íntegra pelo Angelina Jolie Brasil. Agradecimentos especiais ao nosso colaborador, Gui Leite.

Escrito por Angelina Jolie

Enquanto a injustiça causada pela discriminação e pelo racismo nos Estados Unidos explodem na linha da frente, nós também devemos abordar a perseguição e a opressão que aumentam ao redor do mundo, privando milhões de pessoas de seus direitos, liberdade e segurança física.

A Agência para Refugiados da ONU publicou seu último relatório anual sobre o estado dos deslocamentos humanos no mundo e podemos fazer uma leitura bastante clara. Quase 80 milhões de pessoas – o número mais alto desde que os registros começaram, de acordo com os dados disponíveis – foram expulsas de suas casas por extrema perseguição e violência, e passaram a viver como refugiados, como pessoas que precisam de abrigo ou como pessoas deslocadas dentro de seus próprios países. Pela primeira vez, o deslocamento forçado está afetando mais de um por cento da humanidade, ou seja, 1 em cada 97 pessoas.

São pessoas que fogem de ataques a escolas e hospitais, da violência sexual em massa, perseguições e fome em cidades inteiras, opressões de grupos terroristas assassinos e décadas de perseguição institucionalizada em razão da religião, do gênero ou da sexualidade.

Não é apenas o número total de pessoas deslocadas à força que é chocante. Mais pessoas estão sendo forçadas a deixar suas casas em larga escala em mais lugares e com uma das taxas mais rápidas das quais podemos nos lembrar. O deslocamento global quase dobrou desde 2010. O número de refugiados na África Subsaariana triplicou no mesmo período. E o número de países em que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados está trabalhando, buscando ajudar as pessoas deslocadas internamente, passou de 15 em 2005 para 33 em 2020. Isso ocorre antes da devastação econômica total das greves do COVID-19, ameaçando a fome e a insegurança mais profundas para milhões de pessoas.

Eu testemunhei a mudança com meus próprios olhos. Meus primeiros 10 anos no UNHCR, a partir de 2000, foram focados principalmente em ajudar os refugiados a voltar para suas casas em países como Camboja, Bósnia e Serra Leoa. Envolveu a limpeza de minas terrestres, a reconstrução de casas, a abertura de estradas e a retomada do mercado. As instituições internacionais – ainda que imperfeitas – apresentaram uma pequena quantidade de justiça e responsabilidade.

Em meados da década de 1990, até por volta de 2010, o número de pessoas deslocadas permaneceu relativamente estável em todo o mundo, porque, embora os novos deslocamentos continuassem, muitos refugiados foram repatriados após acordos de paz, construíram casas permanentes em seus países anfitriões ou foram reassentados em novos países.

Mas nos últimos 10 anos, a pouca justiça e as poucas soluções disponíveis para os refugiados secou. Eu visitei refugiados sírios cerca de uma dúzia de vezes desde o início do conflito naquela região. Os refugiados que conheci quando crianças agora têm seus próprios filhos e ainda vivem nos mesmos acampamentos sem segurança, com provisões cada vez menores e sem perspectivas de um acordo político justo e equitativo em seu país que lhes permita voltar para casa em segurança.

Vários fatores parecem estar em jogo. A década passada começou com uma recessão global que alimentou dificuldades, raiva e descontentamento. Muitos países e comunidades em todo o mundo mostraram extraordinária generosidade para os refugiados que vivem em seu meio. Mas, mesmo que, em todo o mundo, médicos, enfermeiros e profissionais de saúde estejam à linha de frente da resposta ao COVID-19, os refugiados são frequentemente vistos como um fardo, recebidos com xenofobia e racismo, denegridos e desumanizados na política e na mídia.

Vários fatores parecem estar em jogo. A década passada começou com uma recessão global que alimentou dificuldades, raiva e descontentamento. Muitos países e comunidades em todo o mundo mostraram extraordinária generosidade para os refugiados que vivem em seu meio. Mas, mesmo que, em todo o mundo, médicos refugiados, enfermeiros e profissionais de saúde atendam à linha de frente da resposta ao COVID-19 , os refugiados são frequentemente vistos como um fardo, recebidos com xenofobia e racismo e denegridos e desumanizados na política e na mídia.

Somos rápidos em criticar os registros de direitos humanos dos adversários, mas silenciosos quando conflitos que criam deslocamento e miséria envolvem nossos aliados. Quando começamos a escolher quais países ou povos iremos ajudar, da assistência humanitária até nossas políticas de asilo, somos nós mesmos os discriminadores: atribuindo diferentes níveis de importância a diferentes povos, raças, religiões e etnias, violando o princípio fundamental de que todos nascem iguais.

Em nossos anos escolares, nós americanos não somos ensinados o suficiente a respeitar e admirar as culturas e contribuições de países com histórias muito mais antigas do que as nossas. Ou, na verdade, a ter uma compreensão verdadeiramente profunda de nossa própria história e das condições s em que nosso país foi construído. Essa é uma das razões pelas quais, nos meus vinte e poucos anos, eu queria trabalhar com o ACNUR.

O que ficou claro para mim, através do meu trabalho, é que a luta pelos direitos humanos e pela igualdade é universal. É uma luta única, onde quer que vivamos, por mais diferentes que sejam as circunstâncias. Existe uma linha divisória em todo o mundo, entre aqueles que têm direitos e liberdade e aqueles que não têm. Quem escolhemos ajudar e o quanto estamos preparados e dispostos para mudar e lutar, não deve parar em nossas fronteiras.

Fonte: TIME

Fonte: Angelina Jolie Brasil