#TBT JUNHO 2018

No mês de junho de 2018 tive a oportunidade de participar de três provas: BANCO DO BRASIL, 15 KM DE SANTA FELICIDADE e A. YOSHII.

03/06 – Circuito Banco do Brasil de Corrida

Instantes antes da largada tive a oportunidade de encontrar colegas do BB que iriam fazer a sua primeira corrida de 5 KM. Aproveitei a ocasião para conversar um pouco com eles e passar tranquilidade e muita energia positiva.

Apesar de conhecer as características do percurso sabia que seria difícil bater o meu recorde de 34:20. Talvez conseguisse terminar em um tempo próximo dos 37 minutos.

Por causa do frio tive dificuldades para manter a minha frequencia cardíaca no nível adequado. Escolhi um ritmo confortável e segui em frente sem nenhuma preocupação com o tempo. Acelerei um pouco as minhas passadas quando faltavam cerca de 500 metros para o final.

Cruzei a linha de chegada com o tempo de  37 minutos e alguns segundos. O mais importante foi ter terminado a prova bem fisicamente.

Depois de pegar a minha medalha realizei o teste de bioimpedância cujo resultado possibilita o cálculo de volume exato que há de água no organismo, sendo assim computadas com exatidão a quantidade de massa magra e gorda contida no corpo. No meu caso os resultados apresentados foram considerados normais.

Em seguida entrei na fila para ganhar uma camiseta autografada pelos jogadores de volei Gustavo Endres, André Heller e Emanuel Rego.

Alguns minutos depois fui acompanhar a entrega de troféus para os cinco primeiros colocados da categoria Funcionário BB. Enfim, foi muito gratificante ver colegas de trabalho participando da sua primeira corrida de rua. Sem dúvida é um importante vitória na luta com o sedentarismo.

 

10/06 – 15 KM de Santa Felicidade

A largada e a chegada aconteceram no Dom Antônio, um dos inúmeros restaurantes do tradicional bairro italiano de Curitiba.

Sabendo que enfrentaria muitas subidas ao longo do percurso desafiador escolhi a estratégia de dividir os quinze quilômetros em três partes de 5 km.

Procurei sempre ter alguém no meu campo visual para usar como referência e mantive um ritmo confortável.

Em determinado momento percebi alguns metros na minha frente duas corredoras que seguiam num ritmo bem lento. Em vez de simplesmente ultrapassar e seguir adiante preferi acompanhá-las por algum tempo. Foi então que uma delas contou que estava voltando de uma lesão no quadril. Foi muito bom conversar e trocar energia positiva com elas.

Como tinha decidido que usaria o percurso como treino não tinha um tempo definido para conclusão. Participar de uma corrida com uma distância entre 10 e 21 km foi uma experiência diferente.

 

24/06 – A. YOSHII

A corrida foi patrocinada pela A. YOSHII, uma construtora de Curitiba. Sabia que enfrentaria vários trechos de subida ao longo do percurso, pois já tive oportunidade de correr outras provas naquele local.

Desde a largada me preocupei em controlar a minha frequencia cardíaca. Após passar pela placa que sinaliza a marca dos 4 km passei a aumentar o ritmo das minhas passadas, pois sabia que a partir dali teria um longo trecho de descida.

Segui em um ritmo tranquilo. Não acelerei muito pois não tinha ninguém que pudesse ultrapassar antes da linha de chegada e atrás de mim não tinha alguém que pudesse me ultrapassar.

Foi então que ouvi o locutor gritar “Ayrton, Ayrton, Ayrton Senna do Brasil”. Corro usando o boné com as cores do capacete do Senna e cruzar a linha de chegada ouvindo o nome do meu ídolo sem dúvida foi o momento mais emocionante da minha corrida.