Jolie faz videoconferência e escreve sobre os refugiados

Nesta quinta-feira, dia 18 de Junho de 2020, o site oficial da renomada revista “TIME” publicou um novo artigo escrito pela Enviada Especial do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (UNHCR/ACNUR), Angelina Jolie, através do qual ela abordou a atual crise de refugiados. Além do artigo, Jolie participou de várias conversas de vídeos com diferentes profissionais que trabalham com a UNHCR. Confira a matéria traduzida na íntegra pelo Angelina Jolie Brasil. Agradecimentos especiais ao nosso colaborador, Gui Leite.

Escrito por Angelina Jolie

Enquanto a injustiça causada pela discriminação e pelo racismo nos Estados Unidos explodem na linha da frente, nós também devemos abordar a perseguição e a opressão que aumentam ao redor do mundo, privando milhões de pessoas de seus direitos, liberdade e segurança física.

A Agência para Refugiados da ONU publicou seu último relatório anual sobre o estado dos deslocamentos humanos no mundo e podemos fazer uma leitura bastante clara. Quase 80 milhões de pessoas – o número mais alto desde que os registros começaram, de acordo com os dados disponíveis – foram expulsas de suas casas por extrema perseguição e violência, e passaram a viver como refugiados, como pessoas que precisam de abrigo ou como pessoas deslocadas dentro de seus próprios países. Pela primeira vez, o deslocamento forçado está afetando mais de um por cento da humanidade, ou seja, 1 em cada 97 pessoas.

São pessoas que fogem de ataques a escolas e hospitais, da violência sexual em massa, perseguições e fome em cidades inteiras, opressões de grupos terroristas assassinos e décadas de perseguição institucionalizada em razão da religião, do gênero ou da sexualidade.

Não é apenas o número total de pessoas deslocadas à força que é chocante. Mais pessoas estão sendo forçadas a deixar suas casas em larga escala em mais lugares e com uma das taxas mais rápidas das quais podemos nos lembrar. O deslocamento global quase dobrou desde 2010. O número de refugiados na África Subsaariana triplicou no mesmo período. E o número de países em que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados está trabalhando, buscando ajudar as pessoas deslocadas internamente, passou de 15 em 2005 para 33 em 2020. Isso ocorre antes da devastação econômica total das greves do COVID-19, ameaçando a fome e a insegurança mais profundas para milhões de pessoas.

Eu testemunhei a mudança com meus próprios olhos. Meus primeiros 10 anos no UNHCR, a partir de 2000, foram focados principalmente em ajudar os refugiados a voltar para suas casas em países como Camboja, Bósnia e Serra Leoa. Envolveu a limpeza de minas terrestres, a reconstrução de casas, a abertura de estradas e a retomada do mercado. As instituições internacionais – ainda que imperfeitas – apresentaram uma pequena quantidade de justiça e responsabilidade.

Em meados da década de 1990, até por volta de 2010, o número de pessoas deslocadas permaneceu relativamente estável em todo o mundo, porque, embora os novos deslocamentos continuassem, muitos refugiados foram repatriados após acordos de paz, construíram casas permanentes em seus países anfitriões ou foram reassentados em novos países.

Mas nos últimos 10 anos, a pouca justiça e as poucas soluções disponíveis para os refugiados secou. Eu visitei refugiados sírios cerca de uma dúzia de vezes desde o início do conflito naquela região. Os refugiados que conheci quando crianças agora têm seus próprios filhos e ainda vivem nos mesmos acampamentos sem segurança, com provisões cada vez menores e sem perspectivas de um acordo político justo e equitativo em seu país que lhes permita voltar para casa em segurança.

Vários fatores parecem estar em jogo. A década passada começou com uma recessão global que alimentou dificuldades, raiva e descontentamento. Muitos países e comunidades em todo o mundo mostraram extraordinária generosidade para os refugiados que vivem em seu meio. Mas, mesmo que, em todo o mundo, médicos, enfermeiros e profissionais de saúde estejam à linha de frente da resposta ao COVID-19, os refugiados são frequentemente vistos como um fardo, recebidos com xenofobia e racismo, denegridos e desumanizados na política e na mídia.

Vários fatores parecem estar em jogo. A década passada começou com uma recessão global que alimentou dificuldades, raiva e descontentamento. Muitos países e comunidades em todo o mundo mostraram extraordinária generosidade para os refugiados que vivem em seu meio. Mas, mesmo que, em todo o mundo, médicos refugiados, enfermeiros e profissionais de saúde atendam à linha de frente da resposta ao COVID-19 , os refugiados são frequentemente vistos como um fardo, recebidos com xenofobia e racismo e denegridos e desumanizados na política e na mídia.

Somos rápidos em criticar os registros de direitos humanos dos adversários, mas silenciosos quando conflitos que criam deslocamento e miséria envolvem nossos aliados. Quando começamos a escolher quais países ou povos iremos ajudar, da assistência humanitária até nossas políticas de asilo, somos nós mesmos os discriminadores: atribuindo diferentes níveis de importância a diferentes povos, raças, religiões e etnias, violando o princípio fundamental de que todos nascem iguais.

Em nossos anos escolares, nós americanos não somos ensinados o suficiente a respeitar e admirar as culturas e contribuições de países com histórias muito mais antigas do que as nossas. Ou, na verdade, a ter uma compreensão verdadeiramente profunda de nossa própria história e das condições s em que nosso país foi construído. Essa é uma das razões pelas quais, nos meus vinte e poucos anos, eu queria trabalhar com o ACNUR.

O que ficou claro para mim, através do meu trabalho, é que a luta pelos direitos humanos e pela igualdade é universal. É uma luta única, onde quer que vivamos, por mais diferentes que sejam as circunstâncias. Existe uma linha divisória em todo o mundo, entre aqueles que têm direitos e liberdade e aqueles que não têm. Quem escolhemos ajudar e o quanto estamos preparados e dispostos para mudar e lutar, não deve parar em nossas fronteiras.

Fonte: TIME

Fonte: Angelina Jolie Brasil