Jolie concede entrevista para Vanity Fair Italia

Nesta sexta-feira, dia 03 de Setembro de 2021, a revista “Vanity Fair” italiana compartilhou em seu website oficial uma entrevista exclusiva com nossa musa inspiradora, Angelina Jolie.

Como não falamos italiano, este artigo foi traduzido através do Google Tradutor, portanto, é possível que contenha erros de tradução e contexto. Fizemos algumas alterações para melhor compreensão.

Por Ginevra Lamberti

Estamos na Provença, em uma clareira no meio de um bosque, somos muitas e quase todas mulheres. Existem diferentes idades, histórias, origens geográficas, línguas, olhares, roupas. A intenção é a mesma: ouvir e falar sobre a proteção do planeta por meio da proteção e do estudo das abelhas. Somos jornalistas, escritores, relações públicas, apicultores. Em pé, formamos um semicírculo e ouvimos as palavras de Noëline Raondry Rakotoarisoa, representada pela UNESCO, de Véronique Courtois, Ceo Guerlain, de Thierry Dufresne, fundador do Observatório Francês de Apidologia (OFA), e de Angelina Jolie, madrinha do programa “Mulheres Pelas Abelhas”.

O “Mulheres Pelas Abelhas” é um programa que surge da parceria entre a Guerlain, Unesco e OFA e tem como objetivo a formação de profissionais da apicultura. O percurso, que contou com a participação de sete jovens mulheres, terminou em Aix-en-Provence com a entrega oficial dos diplomas na presença de Angelina Jolie, há vinte anos envolvida em campanhas humanitárias (a crise no Afeganistão levou a abrir um perfil no Instagram no dia 20 de agosto para apoiar a causa da população local, interrompendo sua distância de ferro das redes sociais) e para salvaguardar a biodiversidade.

Não é um programa de curto prazo, diz Véronique Courtois, mas de “uma responsabilidade que é uma forma de retribuir a natureza”. O “Mulheres pelas Abelhas” terá uma duração de cinco anos, com o objetivo de formar cinquenta apicultoras de todo o mundo e dotá-las de ferramentas para se tornarem empresárias independentes, no âmbito de uma rede internacional que promove os valores da biodiversidade e do empoderamento feminino. Os novos profissionais, portadores de preciosos conhecimentos, até 2025 terão contribuído para a instalação de 2.500 colmeias nas Reservas da Biosfera da Unesco e para o repovoamento de 125 milhões de abelhas.

De que forma você começou sua experiência como “madrinha das abelhas”?

Eu estava no Camboja com Guerlain para uma sessão de fotos para um perfume (o que é muito engraçado porque você não pode usar perfume na selva, a menos que queira correr o risco de contrair dengue ou malária). Naquela região, já tínhamos muitos projetos em andamento, envolvendo escola e apicultura. Então começamos a conversar sobre isso e nos perguntar o que mais poderíamos fazer. Foi assim que nasceu, em parte, o programa.

Falando sobre seu último filme, “Aqueles Que Me Desejam a Morte”, você disse que quando está “destruída” é importante “se dedicar a algo que seja significativo”. Você acha que seu papel como ativista tem influência em seu papel como atriz e vice-versa?

Em primeiro lugar, sou mãe, depois ativista humanitária; apenas em terceiro lugar sou uma atriz. No entanto, acredito que em alguns papéis que desempenhei e filmes que dirigi, você pode encontrar temas que se aproximam da minha crença no que uma mulher precisa. Acho que as mulheres são muito fortes, mas neste mundo também são muito vulneráveis. Quando digo “destruída” – e sem dúvida estive – estou pensando em mulheres de todo o mundo que quero ajudar a ganhar poder, a serem autônomas e conectadas com sua própria rede. Não se trata apenas de se sentir forte, mas de se sentir segura. São temas que, sem dúvida, se relacionam muito com o meu trabalho.

Vivemos em uma época em que “ser egocêntrico” é bastante comum; por outro lado, você afirmou que uma das perguntas mais importantes a se fazer é: qual é a sua contribuição para os outros?

Acho que não vale a pena viver uma vida se não servirmos para o outro. Isso provavelmente acontece porque eu experimentei a única e mais autêntica felicidade em dar minha contribuição, seja criando meus filhos, conectando-me com pessoas de diferentes partes do mundo, ou fazendo algo para preservar ao invés de destruir o meio ambiente em que vivo. Sou tudo menos perfeita, na realidade ainda sou a jovem punk que fui, mas sim, acredito que se um ser humano não sentir que tem um propósito, isso vai acabar destruindo sua alma.

Vou lhe dizer que aqueles que nos governam sabem. Acho que simulam ignorância, fingem não entender como tudo está conectado. Se olharmos de perto a situação, veremos que há uma intenção clara de acabar com as pessoas, de roubar recursos, de tirar mais do que damos. Portanto, não é verdade que eles não estão cientes da destruição do meio ambiente, das populações locais e da economia dos países, eles estão extremamente cientes disso. Eles estão escolhendo controlar e saquear ao invés de construir e ver qualquer um como igual, como um ser humano extraordinário em quem podem investir.

A emergência da mudança climática chamou a atenção do mundo através do movimento “Fridays for Future” que, não surpreendentemente, tem como líder, Greta Thunberg, até então uma criança, que hoje já é uma jovem mulher. Qual é a sua visão de futuro, principalmente pensando nos mais jovens?

Como a maioria dos pais, estou muito preocupada com as condições do mundo em que vivemos, mas por outro lado, os jovens também são uma grande fonte de inspiração para mim e tenho muita esperança. É necessário ter algo para imaginar como saída. Admiro muito a Greta e entrei em contato com ela em razão do meu livro “Know Your Rights and Claim Them” (Conheça Seus Direitos e Reivindique-os), que tem como objetivo ensinar aos jovens que a educação, um ambiente limpo e que brincar em vez de trabalhar o dia todo não são presentes, são direitos. Devemos mudar fundamentalmente a maneira como olhamos para qualquer pessoa vulnerável em nossa sociedade. Não se trata do que decidimos dar a elas, mas de compreender o que tiramos delas. Todas as nossas energias devem ser usadas em empurrar os jovens para a frente e ouvir o que eles têm a dizer.

Quando você falou abertamente sobre sua cirurgia preventiva, foi muito inspirador para muitas pessoas, mas da mesma forma, muitos reagiram com espanto e medo. É possível que, para aprender a respeitar e cuidar do planeta, tenhamos primeiro de aprender a respeitar e cuidar de nosso corpo?

No budismo, o conceito de estar presente no momento é muito importante. Acho que quando estamos todos realmente alinhados, e que também fazemos parte do meio ambiente, e então podemos sentir que fazemos parte da terra, sentir nossos pés descalços e que não somos uma coisa separada de outras criaturas vivas. Isso pode ajudar a nos respeitar e, assim como todo mundo, também estou nesse processo. Não me levanto de manhã fazendo ioga, não tenho a dieta perfeita e não sei como manter a calma. Cada um de nós tem essa ideia de como deveria ser, de como deveria se portar, mas é difícil. Recentemente conheci um monge e estava conversando com ele sobre muitas coisas, mas ele me interrompeu e perguntou “Como você está agora? Exatamente nesse momento?”. A mente viaja para todas as razões pelas quais as coisas não estão certas, mas ele me convidou a estar presente em cada momento. Isso está me ajudando muito porque, às vezes, uma mente perturbada tende a ir longe demais. Portanto, trata-se de sentir mais e acho que pode ser importante para as mulheres em geral se sentirem mais confiantes e abertas.

Você acha que para obter determinados resultados, mesmo profissionais, é exigido às mulheres um determinado padrão de perfeição e autocontrole?

Não sei exatamente, mas as mulheres estão, sem dúvida, sob muita pressão. Acho que essa pressão é diferente dependendo da sociedade, do país, da família, da religião. Em qualquer lugar e situação que estejam, isso muda, mas certamente as expectativas são muitas. Acho que as mulheres podem fazer muito umas pelas outras, ajudar e cuidar umas das outras e espero que parte do projeto “Mulheres Pelas Abelhas” também nos aproxime. Como mulheres, temos uma conexão muito especial. Também acredito, e nunca vou enfatizar isso o suficiente, que o mais importante para uma mulher é se sentir segura. Frequentemente, estamos tão focados nas expectativas, nos padrões de beleza, mas o cerne da questão está no fato da mulher não se sentir totalmente ela mesma, porque ela não se sente segura o suficiente. Isso acontece porque ela acha que seu comportamento pode prejudicá-la de alguma forma, seja sendo abusada fisicamente, perdendo o emprego, sendo ameaçada por uma parte de sua comunidade, condenada ao ostracismo ou isolada ao tentar criar seus filhos. Essas são as coisas que calculamos o tempo todo como mulheres, tem muito mais a ver com sobrevivência do que com a opinião das pessoas e com os modelos de beleza. Não é com isso que uma mulher está realmente preocupada, uma mulher está preocupada com a sobrevivência.

Fonte: Vanity Fair Italia

Tradução: Angelina Jolie Brasil

 

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *