3ª Corrida do Fogo

Para marcar o último domingo do mês de setembro participei da 3ª Corrida do Fogo. Nas edições anteriores corri a prova de dez quilômetros. Foi na 1ª Corrida do Fogo que estabeleci o meu recorde para a distância: 1 hora e 10 minutos.

Em  2018 escolhi a prova de cinco quilômetros apesar de saber que não teria condições de bater o meu recorde da distância: 34 minutos e 20 segundos.

Analisei o percurso e identifiquei os trechos de subida e descida. Assim estabeleci o meu ritmo de corrida. Larguei com tranquilidade e segui em um ritmo confortável.

Completei o percurso em 38 minutos e 29 segundos, bem acima do meu recorde. No entanto o mais importante foi completar a minha 120ª corrida de rua e encontrar várias pessoas queridas antes, durante e depois da corrida.

Depois de pegar a minha medalha e me hidratar segui para a Praça do Japão, ponto inicial da 14ª Caminhada do Coração promovida pelo Hospital Cardiológico Constantini. De lá saíram milhares de pessoas em um ritmo bem lento em direção ao Parque  Barigui.

A caminhada serviu para relaxar as pernas depois de uma corrida de cinco quilômetros. A Caminhada do Coração tem um significado muito especial para mim. Foi em 2011 que deixei o sedentarismo de lado.

Pouco antes da chegada no Parque Barigui tive o enorme prazer de encontrar um colega do trabalho que no início do ano fez a cirurgia de redução do estômago. Fiquei muito feliz em ver o quanto melhorou a sua qualidade de vida.

O percurso de sete quilômetros foi percorrido em cerca de uma hora e vinte minutos.  Durante a caminhada tiver a oportunidade de conversar com diversas pessoas sobre a importância da atividade física.

No estacionamento do parque vários ônibus estavam à disposição para levar o pessoal de volta para a Praça do Japão. Fui caminhando do local onde a caminhada terminou até onde estavam os ônibus.

Entre a corrida e a caminhada foram percorridos quatorze quilômetros. Foi uma manhã de domingo muito gratificante.

 

 

 

Sete anos longe do sedentarismo

No dia 18 de setembro de 2011 resolvi fazer uma caminhada nas ruas próximas da minha casa. Foram 6,84 km em uma hora. No dia seguinte consegui percorrer uma distância maior no mesmo tempo.

A caminhada se tornou um hábito e aos poucos o condicionamento foi melhorando. Certo dia vi uma reportagem sobre a Caminhada do Coração, promovida por um hospital de Curitiba.

Compareci no dia e local divulgados e lá encontrei um número enorme de pessoas das mais diversas idades, inclusive muitas delas pacientes do Hospital Cardiológico Constantini.

Saímos em um ritmo lento da Praça do Japão em direção ao Parque Barigui. Foram cerca de 4,7 km em cinquenta minutos. No caminho eram feitas algumas pausas para que as pessoas pudessem descansar um pouco.

Chegando no parque haviam diversos ônibus para levar os caminhantes de volta para a praça. Apesar do ritmo ter sido bem mais lento do que eu estava a costumado a caminhada foi muito positiva.

Continuei com o habito de caminhar diariamente e em agosto de 2012 resolvi participar de uma corrida de rua.

Escolhi a distância de cinco quilômetros. Enfrentei algumas dificuldades ao longo do percurso mas consegui completar a prova em pouco menos de quarenta minutos.

Apesar de ter ficado ofegante em alguns momento posso dizer que esta primeira corrida foi uma experiência interessante.

Naquele dia sequer imaginava que aquela tinha sido a minha estreia no mundo das corridas de rua.

Com o passar do tempo surgiram novas oportunidades para participar de outras corridas e acordar cedo nos domingos passou a ser algo normal para mim.

Cada corrida um percurso diferente pelas ruas de Curitiba, com subidas, descidas e muitos desafios. Algumas corridas foram tranquilas e outras bastante desafiadoras.

A evolução foi natural, aprendi a controlar o meu ritmo ao longo do percurso e fui melhorando o meu condicionamento. Além de proporcionar uma melhora na qualidade de vida a prática da corrida nos permite formar amizades.

Instantes antes da largada de uma corrida não sabemos se quem está ao nosso lado é um médico, advogado, engenheiro, professor, etc. Cada um de nós tem os seus objetivos. Alguns corredores são competitivos, buscam terminar entre os primeiros e/ou conseguir bater o seu recorde pessoal. Outras pessoas estão ali para correr por prazer sem preocupação com o tempo.

No entanto todos estão em busca de uma melhor qualidade de vida e dispostos a compartilhar a sua energia positiva.

Depois de de três anos participando de corridas de rua chegou o momento de deixar a zona de conforto das provas de cinco quilômetros. Em 2016 enfrentei o desafio das corridas de dez quilômetros. Demorei um pouco para me adaptar a nova distância.

Em 2017 tive a oportunidade de participar de duas meias maratonas em Curitiba. Foram provas muito desgastantes mas posso dizer que aprendi bastante em cada um dos quilômetros percorridos.

Desde que comecei a correr participei de provas nas distâncias de 5, 10, 15 e 21 quilômetros. Cada uma delas teve as suas dificuldades, os seus desafios e muita emoção na chegada.

Apesar de ter participado de quatro meias maratonas (duas em 2017 e duas em 2018) ainda não me considero preparado para enfrentar os 42.195 metros da maratona.

Posso dizer que nestes sete anos longe do sedentarismo formei muitas amizades e reencontrei algumas pessoas que eu não via há anos e que também fazem parte do emocionante e fascinante mundo das corridas.

Sem dúvida é muito gratificante saber que hoje sou um exemplo para muita gente que tinha vontade de deixar o sedentarismo de lado mas não sabia como começar.

Para 2018 estabeleci o desafio de percorrer a distância de seiscentos quilômetros até o final do ano. Elaborei uma planilha para controlar a quantidade de quilômetros percorridos a cada mês.

Portanto, a média mensal deveria ser de cinquenta quilômetros mensais. Mas já no primeiro mês ultrapassei esta marca.

Sendo assim fui acumulando uma vantagem nos meses seguintes e deverei atingir os 600 KM antes do prazo.

 

 

 

 

Férias em Gramado 2018 4º dia

A primeira parada do nosso passeio foi no Alpen Park, um parque de diversões localizado na cidade de Canela. Das atrações disponíveis escolhi três: Cinema 4D, Alpen Interactive e Alpen Race.

Primeiramente fui no Cinema 4D. Trata-se de uma sala de cinema que mistura tecnologias que proporcionam uma aventura inesquecível. Os projetores criam vários efeitos durante o filme de cerca de vinte minutos.

A atração seguinte foi o Alpen Race, que simula uma corrida com carros de F1, F3 e Stock Car. A corrida tem cerca de cinco minutos de duração.

A terceira e última atração foi o O Alpen Interactive , um equipamento em formato de um videogame em grandes proporções, que convida os participantes a entrarem no jogo para uma competição.

O jogo consistia em seguir as ordens do xerife da cidade e perseguir os bandidos. no final aparece a pontuação de cada um dos participantes.

 

Depois de nos divertirmos bastante seguimos em direção a Igreja de Nossa Senhora de Lourdes, localizada em Canela e mais conhecida como Igreja de Pedra. É uma das grandes atrações da Serra Gaúcha.

 

 

Depois de contemplarmos a beleza desta igreja fizemos um intervalo para o almoço. Para a tarde estavam previstas mais duas visitas.

A primeira parada depois do almoço foi no Vale dos Dinossauros, um parque temático inspirado no filme de Steven Spielberg.

Após pagarmos a nossa entrada embarcamos no microssauro, um microônibus totalmente temático, que nos levou até o Vale.

Chegando lá os visitantes podem escolher por onde começar entre dois circuitos. Tudo fica em meio à mata nativa.

Placas explicativas na frente de cada dinossauro contam sobre seu estilo de vida, hábitos alimentares, onde viviam e outras informações.

O animais chegam até 10 metros de altura, são animados, podendo mover-se e emitir sons a qualquer momento, o que acaba rendendo algumas surpresas.

O passeio pode durar entre trinta minutos e uma hora dependendo da animação dos visitantes.

A próxima parada do nosso passeio foi o Castelinho Caracol, uma das primeiras residências do município de Canela. Foi construído no inicio do Século XX, entre 1913 e 1915, por Pedro Carlos Franzen casado com Luiza Sommer.

A residência foi construída em madeira de araucária, pinheiro típico da região com sistema de encaixes e parafusos, sem o uso de pregos. A madeira recebeu um tratamento de imersão, durante 6 meses, na água do Arroio Caracol; tratamento biológico para, após, ser serrada e secar naturalmente, na sombra, para se tornar duradoura.

Com dezoito ambientes, no primeiro pavimento encontram-se quartos, sala de jantar, sala de música, o banheiro e a cozinha. No segundo pavimento o destaque fica para o quarto de costura, onde as filhas de Pedro e Luiza Franzem faziam os vestidos, costuravam as capas das cobertas de pena.

As penas para a confecção de travesseiros e cobertas secavam na torre, também no pavimento superior, onde se tem uma vista de180º para o vasto verde do entorno.

O Castelinho Caracol, preserva móveis e utensílios da época de seus moradores, as paredes intactas, mesmo com o passar do tempo  mostram que a construção é resultado de técnica, conhecimento e beleza.

Está aberto para visitação desde 1985. Os visitantes podem testemunhar o modo de vida dos descendentes de imigrantes alemães. Também é possível vislumbrar a mata nativa, a primeira casa da família antes do Castelinho ser concluído, a serraria onde Pedro Franzen trabalhava, os galpões, o Armazém dos Serradores, um verdadeiro retorno ao passado!

Depois desta fascinante viagem no tempo iniciamos a nossa viagem de volta para Gramado. O ônibus deixou cada um dos integrantes do grupo nos seus respectivos hotéis.

Ao chegar no meu quarto no hotel guardei as minhas coisas, tomei um banho e fui visitar o Salão Super Carros, um espaço que reúne diversos modelos de carros expostos e disponíveis para pilotar ou ir de carona.

Tirei fotos dos carros expostos e fui agendar o meu passeio. Escolhi a BMW M3 mas o atendente me ofereceu um passeio na Ferrari 458 Itália pela metade preço original.

O percurso tinha cerca de 5,5 km e o passeio foi muito emocionante.

 

 

 

 

 

 

 

Enquanto escolhia as fotos que tirei na Ferrari F2013 ganhei um passeio no Porsche Cayman. Como a fila de espera estava muito grande troquei por um passeio no Corvette C06 Targa.

Sem dúvida foi um passeio muito emocionante. Em seguida retornei para o meu hotel.

 

Férias em Gramado 2018 3º dia

O terceiro dia de férias começou logo cedo, pois às sete horas chegaria o ônibus da CVC me buscar para o passeio. Junto comigo foram várias pessoas que estavam no mesmo hotel.

Seguimos rumo a cidade de Carlos Barbosa onde visitamos a loja de varejo da Tramontina. Ela conta com uma grande linha de produtos voltados para o lar.

Como estávamos em um grupo grande fomos beneficiados com 20% de desconto e a possibilidade de parcelar o valor da compra.

Atravessando a rua conhecemos a Fetina de Formaio, uma loja que vende diversos produtos coloniais tais como queijos, salames, geléias, entre outros produtos da Serra Gaúcha.

Dali seguimos para a estação de trem onde embarcaríamos na Maria Fumaça. Foi uma viagem muito divertida com várias apresentações de artistas. A primeira parada do trem foi na estação de Garibaldi. Tivemos a oportunidade de degustar espumante e suco de uva.

Depois de alguns instantes continuamos a nossa viagem rumo a cidade de Bento Gonçalves. Chegando na estação degustamos vinho e suco de uva.

A próxima parada do nosso passeio foi o almoço. Para o período da tarde tínhamos na nossa programação uma visita na Vinícola Aurora e no Parque Temático Epopéia Italiana.

Chegando na Vinícola Aurora fomos direcionados para uma sala onde assistimos uma breve apresentação sobre a história da Aurora e com depoimentos de alguns produtores de uva. Depois seguimos para um passeio onde tivemos a oportunidade de conhecer uma parte do processo de produção dos vinhos.

A nossa visita terminou na loja onde são comercializados os mais diversos produtos da Aurora.

A última parada do nosso passeio foi no Parque Temático Epopeia Italiana. Ele possui vários cenários que contam a história de um casal de imigrantes italianos que passaram várias dificuldades ao chegar ao Brasil e, após muito sacrifício  e esforço, conseguiram prosperar em nossas terras.

Durante a apresentação, deixamos de ser meros espectadores e nos tornamos parte da história, interagindo com o personagem pelos cenários que são réplicas do passado.

O passeio terminou com a degustação de vinho, suco de uva e biscoito colonial.  Foi uma experiência muito interessante e emocionante. Em seguida iniciamos a nossa viagem de retorno para a cidade de Gramado.

Cheguei no meu hotel pouco antes das sete horas da noite.

 

 

Férias em Gramado 2018 2º dia

Acordei cedo e fui logo para o café da manhã. Depois de provar um pouco de cada uma das delícias  disponíveis.  Em seguida retornei para o meu quarto e preparei o que levaria para o passeio.

Cerca de meia hora antes do combinado fui para a recepção do  hotel  aguardar o ônibus da CVC. Aproveitei para caminhar um pouco até a chegada do ônibus.

O grupo de turistas era formado por pessoas das mais diversas partes do Brasil. A primeira parada do nosso passeio foi no Museu de Pedras Preciosas.

Ele conta com uma grande exposição de pedras preciosas como: ágatas, ametistas, opalas entre outros tipos de pedras brasileiras e de outros países, pedras brutas e lapidadas.

Na loja os visitantes tiveram a oportunidade de adquirir jóias, peças de decoração e lembranças.

 

Em seguida visitamos a Prawer Chocolates onde tivemos a oportunidade de conhecer a linha de produção de chocolate artesanal e ao final pudemos comprar os mais diversos tipos de chocolate.

 

A terceira parada do nosso passeio foi no Mundo a Vapor. Trata-se de um parque temático localizado na cidade de Canela no Rio Grande do Sul. No parque os visitantes encontram miniaturas de uma fabrica de papel, de uma olaria, de uma ferraria, entre outras.

Dali seguimos para o Parque Estadual do Caracol, localizado em Canela. Conta com matas fechadas nas suas proximidades. A cascata é formada pelo Arroio do Caracol que despenca em queda livre de 131 metros proporcionando um espetáculo de beleza incrível.

 

A nossa próxima visita foi no Mini Mundo, um parque em miniatura localizado em Gramado. Surgiu em 1981 quando um pai e um avô, que resolveram presentear suas duas crianças, a menina com uma casinha de bonecas e o menino com um conjunto de castelos com trenzinhos, em uma pequena área de lazer, ao lado do Hotel Ritta Röppner, pertencente à família. Aos poucos, essa pequena brincadeira foi crescendo, até que em 1983 ela foi aberta ao público com a inauguração do Mini Mundo.

No Mini Mundo os visitantes encontram importantes obras da humanidade, tais como castelos europeus, prefeituras, estações ferroviárias, igrejas, aeroporto, metrô, navios, etc. e uma população de cerca de três mil habitantes.

 

Depois de uma pausa para o almoço seguimos em direção ao Lago Negro, situado em Gramado. O parque possui uma área de 89.336 metros quadrados. O lago tem uma área de 17.470 metros quadrados e uma profundidade máxima de 14 metros.

O local em que o lago se encontra atualmente foi destruído por um incêndio no ano de 1942 e Leopoldo Rosenfeld iniciou seu reflorestamento e a construção da barragem do lago em 1953, procurando semelhança com os lagos da Europa. As mudas de pinheiros que o margeiam foram trazidas da Floresta Negra, em alemão Der Schwarzwald, localizada no sudoeste da Alemanha.

O parque conta com  passeio de pedalinhos (de 8:30 às 19:00), bar, restaurante e loja de conveniências. Contornado o lago há uma pista de caminhada com cerca de 800 metros.

A última parada do nosso passeio foi no Museu de Cera e o Harley Motor Show. No museu de cera encontramos diversas personalidades do cinema, da música, do esporte e da política com as quais era possível tirar fotos.

O Harley Motor Show é um bar / museu que homenageia a lendária marca de motocicletas. Conta com uma cenografia que remete as cassinos de Las Vegas e cerca de trinta motos raras.

Enfim, o passeio foi muito interessante e emocionante.

 

 

Férias em Gramado 2018 1º dia

O voo entre Curitiba e Porto Alegre foi tranquilo. Chegando no aeroporto da capital gaúcha uma funcionária da CVC estava me aguardando.

Alguns minutos depois embarquei em um ônibus rumo a cidade de Gramado. Durante a viagem de cerca de duas horas a guia Noeli passou várias informações importantes a respeito dos passeios.

Chegando no meu hotel me acomodei no meu quarto e fui almoçar. Em seguida fui caminhar na pista de cerca de 450 metros. A primeira volta foi lenta para conhecer as características do percurso.

Percorri 1.5o00 metros no sentido horário e outros 1.500 no sentido anti-horário. Gostei da pista nos dois sentidos pois é muito desafiadora.

Retornei para o meu quarto e tomei um banho relaxante. Tirei uma soneca de cerca de meia hora e depois fui visitar o Museu de Cera Dreamland.

Já tinha visitado o Museu em 2015 e conhecia a maioria dos personagens. Entre as novidades posso citar a Marilyn Monroe, a Nicole Kidman e os Beatles.

 

 

 

 

 

 

 

 

Marilyn Monroe

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Nicole Kidman
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Beatles

 

Tirei várias fotos durante o tempo em que permaneci no Museu. Aproveitei para fazer a minha mão de cera em uma posição em que é possível apoiar o celular.

Retornei para o meu hotel, jantei e depois fui dormir, pois a saída para o passeio do dia seguinte estava prevista para às 8:15.

 

Circuito das Estações Primavera 2018

A terceira etapa do Circuito das Estações foi realizada em um local diferente das anteriores. A estrutura do evento foi montada no Centro de Esporte e Lazer Ney Braga em São José dos Pinhais, cidade da Região Metropolitana de Curitiba.

Minutos antes da largada tive a oportunidade de encontrar várias pessoas conhecidas com quem conversei e troquei energia positiva.

Pelo fato de desconhecer as características do percurso de 5 km escolhi correr em um ritmo conservador. Devido a chuva que caiu durante a noite o asfalto estava molhado e eu teria que tomar muito cuidado.

Como não tinha preocupação com o tempo de conclusão da prova segui em um ritmo confortável e seguro. Reduzi um pouco o ritmo nas subidas a passei a acelerar as passadas quando entrei no quinto quilômetro.

Fiz uma corrida tranquila, acumulei mais cinco quilômetros e conquistei a minha 119ª medalhas desde que comecei a correr em agosto de 2012.

Com a corrida deste domingo alcancei a marca dos 467 quilômetros percorridos no ano. Portanto faltam 133 quilômetros para cumprir o meu desafio estabelecido no início de 2018.

De acordo com a minha projeção deverei atingir o número mágico de 600 quilômetros na primeira quinzena de novembro. Terei cerca de um mês e meio pela frente para continuar correndo em busca de uma distância próxima dos 700 quilômetros.

A minha próxima corrida será prova de cinco quilômetros da Corrida do Fogo.

 

Pernas pra que te quero – 10ª edição

Na manhã deste domingo tive a oportunidade de participar de uma corrida diferente.  Fui um dos voluntários da Corrida Pernas pra que te quero no Circuito Corridas de Rua de Curitiba.

Participaram desta corrida crianças cadeirantes portadoras de necessidades especiais. Para cada uma delas foi montada uma equipe de quatro voluntários.

Pouco antes da largada instalamos um dispositivo para dar mais segurança e estabilidade para a cadeira.  Também conversamos por alguns instantes com os pais para passar tranquilidade.

Dos quatro integrantes da equipe eu era o mais experiente por ter participado desta corrida em 2017. O mais importante era transmitir segurança para a criança já nos primeiros metros da corrida. Não poderíamos demonstrar a nossa preocupação com o momento da largada.

Assumi a condução da cadeira de rodas no início da corrida, pois estou acostumado com a largada das corridas de rua e sabia que seria preciso tomar muito cuidado. Segui lentamente para não me envolver em nenhuma confusão. Os outros integrantes da minha equipe se posicionaram ao meu lado para me proteger.

Em um determinado ponto do percurso nos separamos dos demais corredores da prova e seguimos um caminho para os cadeirantes. Enfim, foi uma corrida desafiadora para nós e muito divertida para o João.

Missão cumprida! Ficamos muito contentes por termos proporcionado este momento de muita alegria e emoção. Depois que recebemos a nossa medalha dei o meu boné de presente para ele. Notei  no seu olhar o quanto ficou contente. Nos abraçamos e trocamos nossa energia positiva.

A corrida deste domingo foi completamente diferente daquelas que estou acostumado a participar. Não me interessava qual seria o meu ritmo e muito menos em quanto tempo percorreria o percurso.

O que importava era poder proporcionar ao João um momento de muita emoção e do qual ele guardará boas lembranças. Fiquei muito feliz por ter tido a oportunidade de fazer parte deste momento.

Foram apenas dois quilômetros que com certeza valem muito mais do aqueles outros que percorri ao longo deste ano. Conversei com os integrantes de outras equipes . Todos muitos emocionados com a experiência gratificante.

Também conversei por alguns instantes com os pais do João. Eles me agradeceram por ter feito o filho feliz.

Depois de me despedir deles resolvi voltar para casa. Poderia ir correndo ao longo dos cerca de seis quilômetros mas acabei escolhendo a caminhada lenta. Aproveitei o tempo de uma hora e alguns minutos para refletir bastante tanto pelo momento que vivi na manhã deste domingo como nos desafios que ainda tenho pela frente.

No início de 2018 estabeleci como desafio percorrer até o final do ano a distância de 600 km. Com a distância percorrida neste domingo alcancei a marca de 461,60 km, representando cerca de 77% do meu desafio.

Esta é a minha medalha nº 118 e tem um significado muito especial para mim e será guardada com muito carinho.

 

Celebrando a amizade

O dia vinte e cinco de agosto foi marcado por mais um encontro dos colegas da minha turma do curso de Administração de Empresas. O nosso último encontro foi em novembro de 2017.

Por ser próximo da minha casa fui caminhando até o local combinado. Enquanto aguardávamos a chegada da Gísela iniciamos a nossa viagem no tempo. Fomos lá para o final dos anos 80 e começamos a relembrar nomes de professores e acontecimentos em sala de aula.

Em um dado momento comentamos a respeito dos encontros realizados no ano passado e então verifiquei que no dia 26 de agosto nos reunimos no mesmo local.

Pois é, por obra do destino um ano depois nos encontramos para celebrar a nossa amizade. Foi um tarde tão incrível que nem percebemos o tempo passar. Fiquei muito contente por encontrar pessoas tão queridas.

AYRTON SENNA PARA SEMPRE

O  acidente ocorrido na maldita curva Tamburello encerrou de maneira trágica a carreira do Ayrton Senna.

A partir daquele primeiro de maio de 1994 o meu interesse pelas corridas de Fórmula 1 foi diminuindo cada vez mais.

Deixei de acordar cedo nos domingos para assistir as corridas, pois o meu ídolo não estaria na pista. Preferia rever as fitas de vídeo com as vitórias do Senna.

Além das fitas guardava revistas, recortes de jornal e posters. Em um certo domingo depois assistir uma fita com os melhores momentos de uma das vitórias em Mônaco tive a ideia de homenagear o meu ídolo. Inicialmente defini como seria a estrutura do site e em seguida iniciei a pesquisa a respeito da carreira desde o kart até a F1.

Não tive dificuldades para escolher o nome do meu tributo: AYRTON SENNA PARA SEMPRE. No dia sete de agosto de 1999 ele foi hospedado em um servidor gratuito. Com o passar dos anos o conteúdo foi sendo melhorado com novas informações.

Em várias oportunidades enfrentei problemas com a hospedagem. Sem dúvida o pior deles foi ter o meu site fora do ar por alguns dias sem nenhuma explicação. Então em março de 2017 resolvi hospedá-lo em um servidor pago.

Fui orientado a não registrar o domínio ayrtonsennaparasempre para não enfrentar problemas futuramente.

Reformulei a estrutura do conteúdo e coloquei no meu endereço www.normanbitner.com.br. Foram incluídos vídeos com os melhores momentos das vitórias do Ayrton Senna. Criei um espaço para as diversas fotos da minha coleção de miniaturas de carros, capacetes e estátuas.

No último dia sete de agosto o AYRTON SENNA PARA SEMPRE completou dezenove anos de existência. Fico muito contente por ter mantido durante todo este tempo o meu tributo em homenagem ao meu eterno ídolo.