A importância de um bom atendimento

No final da tarde do dia oito de agosto tive oportunidade de visitar duas lojas do Shopping Palladium especializadas no comércio de malas. O atendimento recebido em cada uma delas foi um dos critérios para definir onde seria realizada a compra.

A primeira loja visitada foi a Cavezzale. Entrei e comecei a observar os modelos de malas que estavam em exposição. Foram necessários cerca de trinta segundos para que uma vendedora fizesse a abordagem.

Disse que estava interessado em uma mala com rodinhas. A vendedora me mostrou um modelo e disse que eu poderia ficar à vontade para abrir a mala e examinar. Em seguida solicitou que uma outra vendedora continuasse com o atendimento. Ela me perguntou se a mala era para uma viagem aérea. Diante da minha resposta positiva ele se limitou a dizer que aquele modelo de mala não era apropriado.

Então questionei sobre qual o o tipo de mala ela me indicaria. A resposta foi surpreendente “temos outros modelos ali na frente”, uma frase dita com um completo descaso. Diante deste atendimento brilhante disse que iria continuar a minha procura e para a minha surpresa ela indicou as lojas da concorrência. Em nenhum momento a vendedora demonstrou interesse em vender, muito menos fez perguntas com o intuito de identificar qual o tipo de produto eu desejava comprar.

Segui para a loja da Le Postiche, onde fui abordado por uma vendedora em cerca de dez segundos. Em poucos minutos escolhi o modelo de mala e a vendedora questionou se eu desejava comprar acessórios como cadeado e identificador de bagagem. Antes de efetuar o pagamento fiz uma perguntinha básica. Tem desconto para funcionário do Banco do Brasil? Para a minha alegria a resposta foi sim.

Quando entro em uma loja, independente de ser apenas para ver os produtos ou então realizar um compra, o atendimento é algo fundamental na minha avaliação. A venda começa no momento em que o cliente entra na loja. A abordagem inicial com as boas vindas deve ser imediata. Após o primeiro contato o cliente deve se sentir à vontade para circular pela loja. O vendedor deve ficar nas proximidades e atento ao comportamento do cliente.

Particularmente não gosto do tipo de vendedor que “gruda” no cliente e tenta empurrar uma série de produtos. Também de nada adianta o vendedor das as boas vindas e dizer “Fique à vontade, se precisar é só chamar” e simplesmente sumir. Também vale lembrar que a venda não acaba quando o cliente digita a senha para confirmar o pagamento.

A Le Postiche mereceu nota 10, enquanto que a Cavezzale ficou sem nota. Ao chegar em casa visitei os sites das lojas e registrei a minha opinião a respeito do atendimento recebido em cada loja.