Seis anos de corrida de rua – 2013

A minha primeira prova do ano foi a Corrida Noturna UNIMED que teve como local de largada e chegada o Campus da Universidade Positivo. Foi uma experiência diferente das duas corridas anteriores.

Correr à noite da iluminação das ruas exige uma atenção maior ao longo do percurso pois os buracos e outros obstáculos não são percebidos com facilidade. Apesar desta ter sido a minha primeira corrida noturna posso dizer que não tive uma boa impressão mesmo tendo terminado bem fisicamente a prova.

Algumas semanas depois participei de uma outra corrida noturna chamada Barigui Night Race realizada no Parque Barigui. Mesmo tendo conhecimento do percurso larguei com muito cuidado e logo consegui manter um bom ritmo. Completei os cinco quilômetros em 36 min 31 seg e conquistei a minha quarta medalha. Fiquei satisfeito com o meu desempenho.

A minha primeira prova diurna do ano foi a Etapa Outono do Circuito das Estações Adidas. Sem dúvida o meu desempenho foi melhor do que das corridas noturnas. Corri com tranquilidade e completei o percurso de 5 km no tempo de 35 min 56 seg. A partir de agora esta seria a marca a ser batida nas próximas corridas.

A prova seguinte foi a Corrida Unidos pela Vida. Um pouco antes antes do momento da largada fiz aquele que seria o meu ritual. Procurei um canto, longe das inúmeras pessoas que estavam ali, fiz o meu alongamento, conferi se os tênis estavam bem amarrados, fechei os olhos, respirei com calma e fiquei em silêncio por alguns instantes.

Me desliguei completamente do que acontecia em volta de mim e me concentrei no que enfrentaria dentro de alguns minutos. Em seguida me dirigi ao local da largada e permaneci em silêncio. Larguei com tranquilidade e segui procurando espaço para realizar as ultrapassagens e desenvolver um bom ritmo de corrida. A cada quilômetro percorrido o meu aplicativo do celular avisava a distância, o tempo e o ritmo.

Cruzei a linha de chegada com o tempo de 35 min 36 seg, que passou a ser o meu novo recorde dos 5 km.

Para encerrar o primeiro semestre do ano participei da Etapa Inverno do Circuito das Estações. O fato de conhecer o percurso ajudou bastante. Completei a prova em um tempo de  37 min e 55 seg e conquistei mais uma medalha para a minha coleção.

No primeiro domingo de julho participei da prova de 5 km da Corrida Track & Field Mueller. A largada foi em frente ao Shopping Mueller. Devido aos trechos de subida a prova era mais de resistência do que de velocidade. Sendo assim segui em um ritmo bem lento e fui poupando as minhas energias para o final. Quando finalmente terminaram as subidas comecei a acelerar as minhas passadas para aproveitar as descidas. Completei o percurso no tempo de 38 min e 11 seg e conquistei mais uma medalha para a coleção.

No início de agosto retornei ao local da minha primeira corrida. Pela segunda vez iria participar da prova de 5 km da Corrida da Esperança.  A principal expectativa era a de melhorar o meu tempo em relação ao da minha primeira corrida. É claro que também existia uma expectativa muito grande para bater o meu recorde.

Completei a prova em 39 min e 40 seg. Fiquei muito contente com o resultado alcançado.

Duas semanas depois participei da Etapa Primavera do Circuito das Estações. Corri com tranquilidade e completei o percurso de 5 km no tempo de 37 min e 44 seg, um desempenho melhor que o da Etapa Inverno.

O mês de setembro foi marcado pela Corrida da Polícia Civil do Paraná. Como desconhecia as características do percurso preferi seguir em um ritmo confortável até perceber que não teria mais subidas pela frente.

Aos poucos fui aumentando o ritmo das passadas e completei o percurso de 5 km em 36 min 22 seg. Fiquei satisfeito com o meu desempenho pois terminei a prova bem fisicamente.

Em outubro tive a oportunidade de participar de mais uma corrida noturna: a Night Run. O percurso era muito semelhante ao das corridas do Circuito das Estações. No entanto a iluminação das ruas torna a corrida noturna completamente diferente da diurna. Escolhi um ritmo de trote por considerar mais seguro.  Cruzei a linha de chegada com o tempo de 39 min 12 seg.

Na semana seguinte participei da Corrida UNIMED, desta vez diurna.  Logo após ter completado o primeiro quilômetro vi um garota cair desmaiada na calçada. Parei imediatamente, pedi ajuda para o pessoal do apoio e segui adiante.

Porém de certa forma aquela cena me abalou emocionalmente e não consegui manter o meu ritmo de corrida. Consegui melhorar quando estava quase na metade do último quilômetro. Terminei a prova em 40 min e 52 seg, o meu pior tempo nas corridas de 5 km.

 

No primeiro domingo de novembro participei da Graciosa Run, promovida pelo Graciosa Country Club, um tradicional clube de Curitiba.

Procurei me preservar nos trechos de subida e fui controlando o meu ritmo. Quando iniciei o quinto quilômetro olhei para o meu relógio e percebi que tinha condições de bater o meu recorde pessoal.

Passei a verificar a distância restante para o final da prova e o tempo disponível  em relação ao meu recorde de 35 min e 36 seg. Completei o percurso em 35 min e 29 seg, o meu novo recorde e a marca a ser batida.

Em meados de novembro participei da caminhada de 6 km do Circuito Caixa. Segui em um ritmo bem tranquilo e aproveitei para conversar com quem estava ao meu lado.

Sem dúvida foi um experiência diferente percorrer uma distância maior do que aquela que estava acostumado. Aos poucos fui evoluindo o meu ritmo da caminhada para o trote. Completei o percurso em 01 hora 04 min 13 seg.

Para encerrar a temporada de 2013 corri a Etapa Verão do Circuito das Estações Adidas. Enfrentei algumas dificuldades durante o percurso e não consegui correr no ritmo desejado. Completei a prova em 38 min 36 seg, o pior tempo das quatro etapas do Circuito das Estações.

No início do ano tinha o objetivo de participar de uma corrida por mês. Posso dizer que fiquei muito contente pois tive a oportunidade de correr em vários lugares de Curitiba. É difícil indicar qual foi a melhor corrida nem qual a medalha mais bonita. Cada corrida teve uma emoção diferente, seja pelas dificuldades enfrentadas ao longo do percurso ou pela conquista de um recorde pessoal.

Ao longo do ano conheci pessoas das mais diversas idades cada qual com o seu condicionamento físico. Também formei laços de amizade com vários corredores.