Circuito das Estações Etapa Primavera 2016

Hoje participei da Etapa Primavera do Circuito das Estações em Curitiba.  A principal expectativa era a possibilidade de baixar o meu tempo nos 10 km, pois a marca de 1 hora, 15 minutos e 16 segundos foi estabelecida na Etapa Inverno. Um grande incentivo era o número que usaria na corrida: 1946. Este é o ano de nascimento de um tio que faleceu há vinte anos.

Larguei com cuidado para não me envolver em confusões nos metros iniciais. No entanto, logo em seguida acelerei o meu ritmo e iniciei as ultrapassagens. Completei primeiro quilômetro em um tempo bem abaixo da etapa em que estabeleci o meu recorde.

Segui adiante sempre buscando espaço para realizar as minhas ultrapassagens. Passei pela placa que marcava os dois quilômetros com uma vantagem de trinta e cinco segundos. Sabendo do trecho de subida que teria que enfrentar logo em seguida reduzi um pouco o meu ritmo.

Completei os três quilômetros um minuto antes da minha parcial da Etapa Inverno. Na sequencia passei a correr num ritmo mais forte que dos dois quilômetros iniciais. Ao completar os 4 KM tirei sete segundos em relação a parcial da prova anterior.

Continuei acelerando e cheguei na metade da prova com um tempo acumulado de 36:11 e com uma vantagem de um minuto e meio em relação a corrida em que estabeleci o meu recorde. Fiz uma conta rápida para estimar o meu tempo final.

Sabia que ainda teria que enfrentar alguns trechos de subida e que seria muito importante administrar bem o tempo de um minutos e meio. Sendo assim estimei o meu tempo final em torno de uma hora e treze minutos. Usando cerca de quinze segundos por quilômetro chegaria ao final em condições de bater o meu recorde.

No sexto quilômetro usei dezesseis segundos do tempo disponível. Aproveitei o sétimo quilômetro para reduzir um pouco o meu ritmo e recuperar as energias. Mesmo assim consegui recuperar três segundos e segui para os três quilômetros finais em busca do meu recorde.

Completei o oitavo quilômetro em 6 minutos 55 segundos e aumentei a minha vantagem para 1 minuto 36 segundos, a qual foi mantida até a placa que marcava os nove quilômetros.

Com um tempo acumulado de 1 hora 9 minutos 2 segundos e um quilômetro pela frente comecei a acelerar o ritmo das minhas passadas. A expectativa era qual seria o meu novo recorde para os 10 KM.

Cruzei a linha de chegada com 1 hora 13 minutos 43 segundos e 1 minuto 33 segundos abaixo do meu recorde estabelecido na Etapa Inverno do Circuito das Estações. Ufa! Este último quilômetro pareceu ser o mais longo da prova mas valeu a pena melhorar a minha marca pessoal.

Terei um período de descanso e enfrentarei o meu novo desafio na corrida da Polícia Civil no final de setembro.